Nesta quarta-feira, 25, a 'Folha de São Paulo' publicou trechos de gravações utilizadas pelo ex-presidente da Transpetro, Sérgio Machado, na tentativa de obter a chamada "delação premiada" em depoimentos dados à Procuradoria-Geral da República. No papo, nada tão comprometedor como aconteceu com o ex-Ministro do Planejamento, Romero Jucá. Renan Calheiros e Sérgio Machado falam sobre as investigações da Lava Jato e do Senador Delcídio do Amaral. Os dois ainda citam a presidente afastada Dilma Rousseff. Renan diz que queria fazer negociações com o Supremo Tribunal Federal (STF) a respeito da sua transição. Em nota, o presidente do STF, Ricardo Lewandovski, disse que nunca manteve conversas sobre a transição na presidência da república com qualquer um dos envolvidos nas gravações, tampouco a respeito de mudanças na legislação penal.

Publicidade
Publicidade

A segunda negativa se dá pelo fato de Renan Calheiros dizer que não concorda com o atual modelo de delação premiada no Brasil. Na conversa, ele diz não concordar com o fato de um preso poder ser objeto central de delações. Esse tipo de prática tem expandido as investigações, especialmente às relacionadas à Lava-Jato, que a cada dia parece trazer novos nomes à tona. "Antes de passar a borracha é preciso fazer três coisas, a primeira delas é acabar com esse tipo de delação premiada", disse ele na gravação. 

Renan Calheiros, através de sua assessoria, disse que todas as opiniões manifestadas na gravação já eram públicas e que em nenhum momento havia qualquer conotação de tentativa de atrapalhar a Lava-Jato. Recentemente, Romero Jucá acabou sendo exonerado do cargo de Ministro do Planejamento pelo presidente em exercício #Michel Temer após ter conversas reveladas por Sérgio Machado.

Publicidade

Diferente do que aconteceu na divulgação envolvendo o presidente do Senado, com Jucá, ficou subentendido algum tipo de trama para causar prejuízos às apurações conduzidas pelo juiz federal Sérgio Moro. Ele negou essa informação e disse que ele licenciado do cargo de Ministro até que a PGR dê uma decisão a respeito de sua conduta na gravação.  #Governo #PT