Nesta segunda-feira, 30, a 'Folha de São Paulo' trouxe uma reportagem com o novo chefe do Gabinete de Segurança Institucional, o GSI. Quem assumiu a função é o General do Exército Sérgio Etchegoyen, de 64 anos. Ele tem posição de Ministro-chefe com a função e, portanto, foro privilegiado, assim como os demais chefes dos Ministérios do #Governo do presidente em exercício Michel Temer, do PMDB. De acordo com a Folha, o General vê com preocupação a atuação de movimentos sociais em protestos pelo Brasil, especialmente o Movimento dos Sem Terra, o MST. Ele deve bater de frente com o MST. 

O General agora comanda também a Abin, Agência Brasileira de Informação.

Publicidade
Publicidade

A instituição teria agora como principal função monitorar a atuação dos movimentos sociais, em especial àqueles que são de extrema esquerda. Em e-mail ao jornal paulista, Sérgio Etchegoyen informou que até o momento não deu qualquer ordem a respeito do assunto à Abin. Com isso, pelo menos oficialmente, dão deve existir uma "linha mais dura" nos protestos por enquanto.

Em um evento realizado no ano passado, no entanto, o General falou que no Brasil ainda não existia crime de terrorismo, mas que movimentos sociais precisavam ser olhados de perto, evitando que esses cometam crimes e saiam da legitimidade. Quando isso ocorrer, ele defende as punições cabíveis já previstas na legislação da Constituição Brasileira. Militares ouvidos pela 'Folha de São Paulo' informaram que um levantamento dos movimentos deve ser feito.

Publicidade

O principal objetivo é evitar fenômenos populares, como o de 2012, quando o país parou por conta do aumento das passagens de transporte público. 

Assim que assumiu o governo, o presidente em exercício #Michel Temer deixou claro que movimentos sociais teriam menos dinheiro do governo. O principal corte aconteceu em sites ditos de esquerda. Blogs que defendiam a presidente afastada Dilma Rousseff e o Partido dos Trabalhadores (PT) já começaram a sentir a diferença em suas arrecadações. Um evento na semana passada em Belo Horizonte, Minas Gerais, que seria patrocinado pela Caixa Federal, teve o patrocínio cancelado.