Responsável pela pasta do Esporte no governo interino de Michel Temer, Leonardo Picciani falou sobre a questão do seu Ministério poder ser excluído da mesma forma que foi o Ministério da Cultura, e passasse a ser apenas uma Secretaria. Ele, no entanto, desconversou essa ideia e afirmou que o Bolsa Atleta continuará sendo entregue aos esportistas que participam do programa. O representante de Temer afirmou que não é do desejo do PMDB e do presidente em exercício que o governo deixe de investir ao máximo no esporte brasileiro.

Em entrevista à reportagem do Globo Esporte, na sede do Ministério do Esporte, Picciani afirmou: “Na medida em que o PMDB, partido que hoje detém o Presidente da República em exercício,- conta o ministro, em meio a muitas paralisações na entrevista por conta de sua agenda lotada – opta por gerir através de um de seus quadros, é um sinal de prestígio e de fortalecimento do esporte enquanto bandeira (...)”, afirmou Picciani.

Publicidade
Publicidade

Ele também comentou que as obras dos Jogos Olímpicos da cidade do Rio de Janeiro estão indo muito bem, “(...) as obras estão apenas precisando ser concluídas (...)”, explicou.

O ministro também falou com relação aos programas que beneficiam aqueles atletas de bons rendimentos, como é a questão do Bolsa Pódio e do Bolsa Atleta: “Nós buscaremos manter do mesmo nível e até ampliar. (...)”, explicou. Ele seguiu afirmando que o seu Ministério tem discutido e refletido sobre como pode aumentar esses benefícios, e foi além, também contou que precisa buscar mecanismos que impeçam que o dinheiro desse investimento seja cada vez menos desperdiçado, por conta de alguns equívocos.

Picciani quer trabalhar na ótica de captar mais investimentos a partir de iniciativas privadas. Para isso, o ministro revela que é preciso haver mais ‘desenvoltura política’ em sua pasta, para que possa se articular melhor as possibilidades de um crescimento considerável dos investimentos para a área do esporte brasileiro.

Publicidade

Picciani ainda teceu alguns comentários acerca da atuação do seu antecessor, Ricardo Leyser, do PC do B. De acordo com o atual ministro, ele teve uma boa atuação, no entanto, Picciani disse que o ex-ministro deve ter seus métodos de administrar substituídos por ele. O ex-ministro era o principal interlocutor entre as confederações esportivas e o governo federal, de bastante destaque também na organização dos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro de 2016. #Rio2016