A garota que foi violentada por mais de trinta homens no Rio de Janeiro deu o seu primeiro depoimento à polícia ontem, na quinta-feira, dia 26. Neste depoimento, ela explica o que lembra de ter acontecido na noite de sábado e manhã de domingo. O que causa mais indignação na sociedade é que a garota foi drogada e acordou nua totalmente desorientada.

Os investigadores afirmam que já encontraram três suspeitos e que vão pedir muito em breve a sua prisão preventiva. Dentre esses suspeitos dois são acusados de ter divulgado as imagens na internet. O outro é visto no vídeo e também foi acusado. Neste mesmo depoimento que foi veiculado pela revista Veja a menina afirma que quando acordou colocou roupas masculinas e saiu para pegar um táxi.

Publicidade
Publicidade

No seu depoimento, a mãe de um menino de três anos afirma que apenas ficou sabendo da gravação nesta terça-feira e que quando isso aconteceu ela voltou à comunidade para informar o incidente ao dono do tráfico. Ela também teve seu celular roubado e reclamou disso para o chefe da quadrilha que por sua vez afirmou que iria investigar o caso do estupro e reaver o celular.

A vítima disse que conseguiu apenas identificar o namorado, um jovem de dezenove anos conhecido pelo apelido de Petão. Ela afirmou que se relaciona como este homem por mais de três anos e que também possui o hábito de consumir ecstasy, lança perfume e outras drogas.

Ela firmou que desde o estupro tem sentido muitas dores pelo corpo e internamente. Na manhã da quinta-feira, a jovem foi levada ao hospital para fazer exames mais aprofundados que pudessem revelar sequelas sérias do incidente.

Publicidade

O pai da menina também foi escutado pela imprensa; muito chocado, ele afirmava que a garota gemia de dor quando foi encontrada.

A avó da menina disse que assistiu o vídeo e ficou completamente chocada. Ela falou também que a menina tem o hábito de sair de casa e não dar informações por alguns dias. Até o momento o nome da menina e dos seus parentes são mantidos em sigilo para proteção da própria família. #Violência #Casos de polícia