Todas as sextas-feiras o bairro do Jardim Botânico, no Rio de Janeiro, ganha um protesto inusitado. Um grupo conhecido como 'Ocupa Globo' vai até a frente da TV Globo, cuja sede do jornalismo fica no mesmo bairro, abaixa as calças e exibe o órgão genital que faz trocadilho com a palavra "ocupação". Em um grupo do Facebook, eles tentam justificar a iniciativa, chamando a empresa de comunicação de "golpista". Segundo o 'Ocupa Globo', a emissora tem pautado sua programação para tentar derrubar a presidente da república Dilma Rousseff. "O mundo inteiro sabe o que a Globo tenta esconder: sua participação decisiva na formação de um clima para o golpe no Brasil, manipulando informações, privilegiando versões, mentindo descaradamente", diz um trecho do manifesto publicado pelo grupo na internet.

Publicidade
Publicidade

Nesta sexta-feira, 29, por conta do frio que atingiu o Rio de Janeiro, os manifestantes preferiram não colocar o bumbum para o alto. No entanto, no próximo dia 06 de maio, eles dizem que vão repetir o ato. A foto de capa do grupo no Facebook mostra seis pessoas, três rapazes e três moças de calças abaixadas. Uma das mulheres estava com um absorvente para fora de seu órgão genital. Enquanto outra preferiu decorar seu bumbum com adesivos de protesto contra o canal. Eles também levaram um bandeira do Brasil, que foi pichada com a frase 'Fora Globo'. Já um outro cartaz fazia uma brincadeira com o nome do grupo, separando as sílabas e deixando ainda mais claro o propósito do protesto. 

Na internet, alguns dos manifestantes do grupo aparecem em suas redes sociais vestidos com blusas de partidos políticos.

Publicidade

Um deles é o do Partido dos Trabalhadores (PT). Na página oficial do movimento, no entanto, a legenda PT não é evidenciada claramente. O grande foco do protesto, segundo um longo texto publicado, é ir contra ao trabalho exercido pelos veículos vinculados ao Grupo Globo (formado por jornais, revistas, sites, rádios e canais a cabo), em especial a própria #Rede Globo de Televisão. O canal não comentou os protestos.  #Dilma Rousseff #Impeachment