Na noite deste domingo, 22, milhares de pessoas fizeram um protesto próximo à residência do presidente em exercício Michel Temer, do PMDB, no bairro de Pinheiros, em São Paulo. De acordo com informações do portal de notícias G1, muros foram pichados na região. A Polícia Militar não deu o número de manifestantes contra Temer. Já o Movimento dos Trabalhadores Sem Teto (MTST) diz que 20 mil pessoas estiveram no local. #Michel Temer deixou o local antes do horário previsto. Ele voltou para Brasília em função da segurança e para evitar qualquer tipo de confronto. Na casa do presidente ainda estaria a mulher dele, Marcela, e o filho do casal, Michelzinho, de sete anos. 

O protesto começou bem cedo e até o fechamento desta reportagem, por volta das 21h40, ainda continuava.

Publicidade
Publicidade

Milhares de pessoas, em sua maioria apoiando o Partido dos Trabalhadores (#PT) e a permanência da presidente Dilma Rousseff no governo e solicitando que o peemedebista, chamado de golpista, saia do poder. Para chegar próximo à residência de Michel Temer, no entanto, o grupo precisou negociar com a Polícia Militar. A Segurança Nacional chegou a transformar o bairro onde mora o presidente em perímetro de segurança máxima. Com isso, só podia passar na região quem os seguranças deixassem. 

Temer está há dez dias no poder. Nesse tempo, ele teve metido em algumas polêmicas. A maioria delas relacionadas a seus Ministérios. Isso porque o político decidiu extinguir algumas das pastas. Ele usou como argumento o fato da sociedade querer que algo seja feito neste momento de crise econômica e política no país.

Publicidade

Nenhuma extinção, no entanto, causou mais polêmica que o fim do Ministério da Cultura. Até mesmo Dilma usou isso para tentar atacar seu ex-vice, a quem ela chama de "conspirador". 

Artistas fizeram protestos no Brasil e no exterior contra o fim da Cultura. A pressão foi tanta que o peemedebista decidiu neste fim de semana recriar a pasta, que ficará a cargo de Marcelo Calero, ex-secretário do Município do Rio de Janeiro.  #Manifestação