O Planet Hemp fez um show no Rio de Janeiro e o vocalista resolveu fazer um discurso nesta quinta-feira (5). As palavras foram contra o deputado federal Jair Bolsonaro (PP-RJ), a quem o rapper dedicou a música "Porcos fardados". A letra fala sobre a polícia e faz críticas. A canção foi gravada em 1995 no álbum "Usuário". Na época, eles chegaram a ser proibidos de cantá-la, pelas duras críticas feitas.

Durante a fala, ele chamou Bolsonaro de torturador e afirmou que não dá para ser fã do parlamentar e “curtir o Planet Hemp”. O recado foi para quem curte o político nas redes sociais e também acompanha a banda. Ouça a música:

De acordo com Bruno Astuto, em publicação feita na Época, o show feito no Circo Voador pelo Planet Hemp foi para ajudar a arrecadar fundos para o tratamento da estilista Layana Thomaz.

Publicidade
Publicidade

Ela nasceu com um problema no coração e já passou por três cirurgias cardíacas. O tratamento é caro e os cursos já somam aproximadamente R$ 500 mil. Amigos e outros shows já realizados ajudaram a pagar uma parte da dívida, mas ainda há muito para ser quitado.

Não foi apenas Bolsonaro que foi lembrado na noite. O ex-presidente da Câmara de deputados, Eduardo Cunha, também foi citado. Ao cantarem a música “Contexto” eles trocaram a letra. No lugar da palavra “lobo” foi colocado o nome do deputado afastado pelo Supremo Tribunal Federal. A canção ficou assim: “Brasileiros pós-ditadura ainda se encontram em estado de coma semiprofundo. E um dos sintomas mais visíveis é a falta de percepção. Acariciam o Cunha achando que é o seu animal de estimação”.

Bnegão também lembrou dos estudantes que ocuparam escolas em São Paulo e no Rio de Janeiro e exaltou a luta deles.

Publicidade

Planet Hemp é formado por Nobru Pederneiras, Marcelo D2, Formigão, BNegão e Pedro Garcia.

Jair Bolsonaro é um político que já se envolveu em diversas polêmicas. A última foi na votação do impeachment da presidente Dilma na câmara de Deputados. Na oportunidade, ele homenageou o ex-chefe do DOI-Codi, Carlos Brilhante Ustra, que foi o torturador de Dilma na época da ditadura.   #Corrupção #Protestos no Brasil #Dentro da política