O designer de tatuagem Laércio Moura está preso há quinze dias em Curitiba, no Paraná. Conhecido por ter feito parte da décima sexta edição do 'Big Brother Brasil', o agora prisioneiro está em uma cela cheia de acusados de estupro. Laércio também foi preso pelo #Crime. Ele terá que aguardar em uma casa de Custódia até que a investigação sobre o caso envolvendo uma menor de idade seja concluído. Apesar disso, o designer tem encontrado alento na família. A mãe dele, aos 76 anos, tem vivido o drama junto com o filho. Outros parentes também fizeram visitas na última semana. 

No 'Big Brother Brasil', Laércio confessou que tinha relações com menores de idade.

Publicidade
Publicidade

Ele recebeu acusações após sair do reality show de ter dado bebidas alcoólicas para uma menor de idade, com quem também mantinha relações sexuais. No início do relacionamento dois dois, a hoje adolescente tinha 13 anos. Pela legislação brasileira, isso é considerado pedofilia. A Polícia divulgou conversas de Laércio com a jovem, na qual o diálogo permite inquerir que existia uma troca sexual envolvendo a droga. 

Cézar Moura, sobrinho de Laércio, conversou nesta terça-feira, 31, com o Ego. "A família acha melhor não comentar, mas ele está bem, não está sendo maltratado. Já fomos visitá-lo e levamos comida", explicou o familiar do designer de tatuagem. Caso comprovado o crime, Laércio pode permanecer anos na cadeia. Ele nega que tenha cometido pedofilia. Um pen drive e um computador foram apreendidos pela polícia.

Publicidade

O suposto estupro de uma menor de idade cometido por Laércio voltou à mídia depois que um crime de violação coletiva foi feito contra uma adolescente, no Rio de Janeiro. A vítima que não teve o nome divulgado pela Polícia Civil contou em depoimento que foi violada por 33 homens. Um vídeo exibindo a intimidade da garota chegou a ser postado nas redes sociais. Nele, um homem chega a dizer que a jovem engravidou de mais de 30. A Polícia confirma que aconteceu o estupro. O caso chocou o Brasil e o mundo, tendo declarações até na Organização das Nações Unidas (ONU). #Investigação Criminal