Domingo, 1º de maio - milhares de pessoas esperavam em um evento da Central Única dos Trabalhadores (CUT) em São Paulo um pronunciamento do ex-presidente da república Luiz Inácio #Lula da Silva - no Dia do Trabalhador, o representante do Partido dos Trabalhadores (PT) deixou o protagonismo para a presidente Dilma Rousseff, que durante mais de meia hora fez anúncios chamados pela oposição e pela imprensa de "pacote de bondades". A assessoria de Lula disse ao UOL durante o evento que ele deixou de falar porque estaria completamente sem voz e para cuidar da saúde e, portanto, pouparia-se nesse tempo. Os dias passaram, muita coisa aconteceu nesse meio tempo, mas Lula não apareceu. 

Há uma semana, o ex-presidente tem sido 'Procurado' pela imprensa, por governistas e até pela oposição, que faz diversos questionamentos ao petista.

Publicidade
Publicidade

Um deles é sua opinião sobre o pedido do Procurador-Geral da República, Rodrigo Janot, que solicitou ao Supremo Tribunal Federal (STF) que abrisse um inquérito contra ele, a presidente Dilma e o Advogado-Geral da União, José Eduardo Cardozo. Todos teriam tentado obstruir a operação Lava Jato. Lula, pessoalmente, ainda não comentou a notícia negativa. Isso ficou a cargo de Dilma, que em um evento do lançamento do Plano Safra disse que a base do pedido de Janto, as delações premiadas do Senador Delcídio do Amaral, precisava ser melhor investigada. Para ela, Delcídio tem compulsão em mentir.

Curiosamente, Lula, segundo a Folha, estaria interessado em acelerar as eleições presidenciais. Até uma PEC já estaria preparada para isso. É estranho o petista simplesmente desaparecer faltando poucos dias para a votação que pode afastar de vez a presidente Dilma do governo.

Publicidade

No dia 11, Senadores votarão pelo afastamento, cuja pior notícia para o governo pode vir em até 180 dias, culminando com a deposição e inelegibilidade da petista. A impressão que dá é que Lula não quer queimar sua imagem, já pensando no futuro o pleito para um possível terceiro mandato como presidente. Acabou o companheirismo?  #Dilma Rousseff #Impeachment