Técnicos do governo da presidente Dilma alertaram para a  oposição que vem aí mais aumento de despesas. Essas podem prejudicar o governo de Michel Temer, o vice que assume o cargo da presidência no caso de afastamento da petista no Senado. A aliada do ex-presidente Luiz Inácio #Lula da Silva estuda fazer um anúncio de liberação de recursos para o programa de habitação rural e para um fundo de desenvolvimento social.

Os projetos são todos para agradar um dos movimentos sociais que mais demonstra apoio à Dilma em época de impeachment, o Movimento dos Trabalhadores Sem Teto (MTST). As informações foram confirmadas nesta quinta-feira, 05, pelo jornal 'O Estado de São Paulo'.

Publicidade
Publicidade

Lembrando que nos últimos dias a presidente já fez anúncios que fazem parte do seu 'Pacote de bondades', entre eles o aumento do 'Bolsa Família', que subirá 9%. O anúncio deve acontecer até o dia 11. 

Enquanto Rousseff ainda faz promessas, muito do que foi prometido no passado ainda não foi cumprido. O Programa de Aceleração do Crescimento, por exemplo, segundo informações do jornalista Claudio Humberto do Diário do Poder, tinha gasto até abril R$ 2,4 bilhões dos R$ 31,62 bilhões previstos. O Programa era a cereja do bolo da campanha eleitoral de reeleição da líder petista. De acordo com um levantamento feito com o Sistema Integrado de Administração Financeira, o Siafi, o número corresponde a apenas 7,5% do prometido. 

Não é só em 2016 que o valor total do PAC não foi atingido, como também em anos anteriores.

Publicidade

Em 2015, por exemplo, o programa só teve repasse de 53% do valor total previsto. Entre os motivos que levaram à queda está a crise econômica e uma reorganização de prioridades do governo federal. No entanto, essa reorganização aconteceu mesmo após as eleições. Isso porque no ano que antecedeu a eleição, o PAC veio com tudo, atingindo 91% do previsto. 

O serviço pela metade virou motivo de reclamação de moradores do 'Minha Casa Minha Vida' do Rio de Janeiro, que receberam moradias no mês passado. Menos de 30 dias após a inauguração, eles convivem com diversos problemas, que vão de vazamentos a pisos quebrados. "Fui enganada", disse uma moradora à Folha de São Paulo.  #Dilma Rousseff