O primeiro domingo de #Michel Temer como presidente em exercício após o afastamento de Dilma Rousseff foi marcado por reações contrárias à sua posse na última semana. Em Belo Horizonte, Brasília, Curitiba e São Paulo pessoas foram às ruas durante o dia pedir o #Impeachment de Temer. À noite, durante entrevista do atual ocupante da Presidência para o programa “Fantástico”, da Rede Globo, foram registrados "panelaços" em diversas cidades do país.

Manifestações

Os protestos contra o ex-vice-presidente neste domingo começaram ainda pela manhã, quando cerca de 200 pessoas fizeram uma manifestação a favor da presidente afastada, Dilma Rousseff, em frente ao Palácio do Planalto.

Publicidade
Publicidade

Composto de membros de movimentos sociais e sindicais como a CUT e a UNE, o ato na capital federal também reuniu artistas insatisfeitos com a extinção do Ministério da Cultura que, entre outras coisas, gritavam “Fora, Temer!”. No ápice da manifestação, por volta das 11 da manhã, uma via localizada na frente da Praça dos Três Poderes foi fechada pelo movimento durante aproximadamente 20 minutos, sendo em seguida liberada pela Polícia Militar. A expectativa, levando em conta a quantidade de confirmações do evento no Facebook, era de que até 17 mil pessoas estivessem presentes, razão pela qual a PM já havia se preparado com fechamento do Eixo Monumental.

Em São Paulo, o ato começou na região da Avenida Paulista e também teve como alvo a falta de representação feminina no ministério nomeado por Temer, no qual não há mulheres entre os 23 ministros.

Publicidade

Além dos gritos de ordem contra o presidente em exercício, havia vários cartazes com frases de apoio a Dilma, repudiando os “machistas” e “golpistas”, e dizendo "Fora, Temer". Segundo os organizadores, cerca de 10 mil pessoas estiveram no ato, que teve início às 14 horas com caminhada até a Praça Roosevelt e terminou por volta das 17 horas em frente ao prédio da Fiesp na Avenida Paulista. Além de grupos feministas, participaram do protesto representações estudantis, do movimento negro e do movimento LGBT.

Em Belo Horizonte, cerca de cinco mil pessoas –  segundo a organização – se reuniram na Praça da Liberdade no “#foraTemer” que, assim como em Brasília e São Paulo, pedia o impeachment do presidente em exercício. Durante o ato, uma equipe da TV Globo Minas chegou a ser expulsa do local pelos manifestantes. Já na capital paranaense, Curitiba, 500 pessoas estiveram reunidas na praça Santos Andrade para manifestar-se contra Temer.

'Panelaços'

Durante a noite de domingo, o programa “Fantástico”, da TV Globo, exibiu uma entrevista exclusiva com Michel Temer e, assim como ocorreu em alguns pronunciamentos de Dilma Rousseff, várias pessoas manifestaram sua indignação por meio de "panelaços".

Publicidade

Segundo informações, as reações negativas aconteceram desde a chamada da entrevista com gritos de “Fora, Temer!” e “Golpista!” acompanhados pelo bater de panelas e apitos nas janelas. A mesma atitude ocorreu durante outras duas matérias do programa, uma em que o entrevistado foi o atual ministro da Fazenda e ex-presidente do Banco Central no governo Lula, Henrique Meirelles, e outra sobre a repercussão da posse de Temer em um pequeno povoado libanês onde vivem alguns de seus parentes.

Belo Horizonte, Brasília, Niterói, Porto Alegre, Salvador, São Paulo e Rio de Janeiro foram algumas das cidades em que foram ouvidos os "panelaços" e "apitaços" durante a exibição das matérias no programa da Globo. As reações também ocorreram nas redes sociais, com a hashtag #ForaTemer entre os termos mais citados no Twitter e o “vomitaço” na fanpage do programa “Fantástico” no Facebook. #Crise-de-governo