Nesta quarta-feira, 26, a menor que aparece em um vídeo divulgado na internet confirmou que foi vítima de um estupro coletivo. De acordo com a vítima, ela foi dormir na sexta-feira, 22, na casa do namorado, acordando apenas dois dias depois, do domingo, 24. "Quando acordei tinham 33 caras em cima de mim. Só quero ir para casa", teria dito a garota de acordo com informações do jornal 'O Globo' em reportagem publicada nesta quinta-feira, 26.

A jovem em questão tem 16 anos e mora em uma comunidade do Rio de Janeiro. Ela passou o dia fazendo exames no Hospital Maternidade Maria Amélia, onde foi avaliada por ginecologistas. A adolescente também foi avaliada pelo Instituto Médico Legal (IML) e prestou depoimentos à polícia civil. 

De acordo com informações do 'Jornal Hoje', da TV Globo, três dos agora trinta e três homens foram identificados. A polícia já mandou fazer a prisão preventiva dos suspeitos. A jovem foi ouvida na Delegacia de Repressão aos Crimes de Informática (DRCI).

Publicidade
Publicidade

Quem também apura o caso é o Ministério Público do Rio de Janeiro. De acordo com o órgão, mais de 800 denúncias foram enviadas desde o início da repercussão.

O #Crime foi descoberto depois que um dos homens envolvidos postou um vídeo exibindo a menina nua no Twitter. Ele abre o órgão genital da menor e comemora o fato dela não ter conseguido aguentar fazer sexo com tantos homens ao mesmo tempo. O microblog de 140 caracteres decidiu não só excluir a publicação, como banir o usuário, conhecido apenas como "Michel". 

Depoimentos de familiares

Mais cedo, quem havia falado sobre o caso foi o pai da menor. Chorando muito, ele conversou com jornalistas e disse que a filha só gritava de dor, preferindo não falar sobre o caso. A avó da menor também conversou com a rádio CBN, quando disse que a adolescente é usuário de drogas e que tem um filho de três anos.

Publicidade

Segundo a avó da vítima, não havia informações anteriores de outros estupros, mas que eles cuidariam da jovem agora. Ela tem histórico de outras fugas de casa para se drogar.