A presidente Dilma Rousseff já tem uma "solução" para solucionar a crise e conseguir a verba que será diminuída com o "reajuste" do imposto de renda (IR) de 5% anunciado no último dia primeiro de maio: aumentar ainda mais os impostos, que no Brasil já são os mais altos do Mundo. A medida foi anunciada nesta sexta-feira, pelo Ministro da Fazenda, Nelson Barbosa. Ele quer que o Congresso autorize cinco medidas tributárias para alterar o imposto de renda no país. Com mais dinheiro em caixa, o governo promete investir ainda mais no social. Também no Dia do Trabalhador, a petista aumentou em 9% os valores do Bolsa Família

A tabela do imposto de renda, segundo especialista, já está defasada em cerca de 80%.

Publicidade
Publicidade

Ou seja, os 5% estariam longe de realmente cobrirem a diferença entre o que deixou de ser aumentado e a inflação. No entanto, os 5% registram R$ 5,2 bilhões a menos no caixa em 2017. Com as novas medidas, o governo pretende arrecadar a mais R$ 5,35 bilhões em 2017. Ou seja, no fim das contas, o governo conseguiria ainda mais dinheiro. A oposição já até brinca e questiona "quando ela vai parar?", especialmente pelo fato de que faltam apenas 5 dias para que aconteça a votação no Senado que pode afastá-la do poder. 

Assim como já ocorre com o imposto de renda, o governo quer que quem receber doação e herança também pague alíquotas parecidas com o do IR, que terão tabelas de 15%, 20% e 25%. A presidente quer ainda imposto sobre o lucro de empresas que ultrapassam o limite estabelecido pelo Simples Nacional, além de colocar impostos em outras coisas, como direitos de imagem e voz.

Publicidade

Outra medida é diminuir os benefícios da Indústria química. 

Só no excedente dos lucros das empresas a diferença seria de R$ 1,57 bilhão a mais para o governo. A diferença no simples Nacional chega a ultrapassar meio bilhão de reais. Com a medida, Dilma evita aumentar os impostos da pessoa física, que poderia chegar até a 35% para quem recebe acima de R$ 20 mil. A medida era conversada nos bastidores. Lembrando que todas essas mudanças precisam ser aprovadas pelo Congresso.  #Dilma Rousseff #Impeachment