Restando pouco tempo para se preparar para os Jogos Olímpicos Rio 2016, deveriam os atletas intensificarem os treinamentos ou não? Profissionais técnicos da área esportiva, como o preparador físico José Elias de Proença, contam que não é correto que os atletas convocados para defender as cores da bandeira do Brasil nos Jogos intensifiquem o treinamento. A partir de agora, o ideal é fazer treinamentos que não exijam muito o físico, até para que todos não corram risco de contraírem lesões.

José, que é preparador físico da seleção feminina de voleibol, ainda diz que para que um atleta esteja realmente pronto para disputar os Jogos Olímpicos em alto nível, é necessário que ele tenha se preparado por volta de dez anos.

Publicidade
Publicidade

Esse é um conceito básico que a maioria dos preparadores físicos tem em mente. “No esporte, é muito tempo para se ficar sem fazer nada e pouco tempo para se fazer muita coisa.”, revelou o preparador físico com relação aos últimos três meses de preparação física dos convocados para defender o Brasil nessas Olimpíadas do Rio de Janeiro.

“Parece que não dá tempo para nada, mas dá.”, conclui João sobre os três meses restantes. Ele confessa que esse é o momento para que as delegações e os atletas criem afinidades, preparem os últimos detalhes e tomem cuidado para que não entrem em nenhuma “fria”, no sentido físico. De acordo com ele, é preciso que os atletas reflitam se falta algo para eles mesmos entrarem 100% prontos para disputarem os Jogos, no que se refere às questões técnicas e as táticas, como também com relação ao relacionamento em grupo.

Publicidade

Os atletas precisam estar em sintonia com tudo, nos mínimos detalhes.

Já para a bicampeã olímpica pela seleção brasileira de voleibol, Fabiana Claudino, esse é um período muito importante para todos os atletas tomarem cuidado com o que fazem, consomem e, principalmente, com o próprio corpo. Não exagerar, mas não deixar o corpo sem a prática esportiva, ‘moderar’, é a palavra mais aceita nesse momento. “O físico tem que estar voando e o psicológico vai junto”, disse Fabiana, que inclusive é a capitã da seleção brasileira de voleibol. #Rio2016