As obras para as Olimpíadas Rio 2016 estão parcialmente embargadas, no Parque Olímpico, Barra da Tijuca, Zona Oeste do Rio de Janeiro, uma obra na Torre de TV, na Vila dos Atletas e em alguns outros pontos foram barradas e analisadas por trinta e cinco empresas relacionadas as obras, a Superintendência Regional do Trabalho que é ligada ao Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) foi responsável pelo embargo.

As condições de trabalho, falta de segurança, funcionários com horários de trabalho pré-marcados e sem carteira assinada foram alguns dos motivos pela paralisação. A Fundação Geo-Rio disse, em nota, que já se pronunciou a respeito com a empresa Erwil que é responsável pela obra e quer que as exigências dadas pelo Ministério do Trabalho sejam logo mais acatadas para dar andamento na produção.

Publicidade
Publicidade

Segundo a prefeitura, em outras obras, tudo ocorre normalmente. O superintendente esclareceu que as obras da Torre da TV estão paralisadas por causa da falta de proteção que os trabalhadores estão sofrendo. O Rio 2016 afirmou que os procedimentos exigidos estão sendo cumpridos e na manhã desta segunda-feira (9) foi solicitado que as obras possam dar continuidade. 

Obras e morte

Entre janeiro de 2015 e março de 2016, foram registrados 11 mortes de trabalhadores em obras de âmbito olímpico. Um aspecto que chamou atenção ocorreu na quinta-feira (5), em que havia um pedido para a paralisação da obra, e foi descumprido, os trabalhadores continuaram normalmente correndo riscos, o crime de desobediência foi encaminhado para o Ministério Público do Trabalho. O superintendente afirmou que isso é "um absurdo respeito à segurança do trabalhador", disse também que a prefeitura coloca o trabalhador em grande risco, e que poderia haver um desmoronamento e mais mortes.

Publicidade

Além disso, a obra interditada estava sem monitoramento e a escavação sem sinalização. Na obra da Torre de TV, o problema está no risco de quedas, falta de proteção, elevadores e outros acessos desprotegidos, estruturas incompletas e tantos outros riscos de vida aos trabalhadores.    #Governo #Rio2016