A chama olímpica 2016 chegou de avião, nesta manhã de segunda-feira (23), na cidade de Lençóis. O comboio seguia para a Chapada de Diamantina, município da Bahia. O destaque do evento foi que a tocha fez um percurso diferente. A passagem do fogo olímpico foi por escaladas, rapel e trilhas. Ela também passou por piscina naturais, grutas, cachoeiras e montanhas. O caminho do símbolo olímpico foi cheio de emoções e muito radicalismo. Essa é a terceira semana do revezamento da tocha olímpica.

O tenente Soeiro faz parte da corporação da Aeronáutica. Foi ele que levou a tocha na cabine da aeronave que conduzia o comboio. Ele ficou muito emocionado com o evento e fez questão de fazer uma foto, para nunca mais esquecer esse momento tão especial em sua vida.

Publicidade
Publicidade

A passagem da tocha olímpica estreou na Gruta da Pratinha, com o condutor Raimundo Sólon. Ele disse que estava se sentido honrado com a cerimônia do evento, que conduzir a tocha foi um momento inesquecível.

Depois de tantas emoções, Raimundo passou o símbolo olímpico para seu primo, Wendel Pereira, que desceu de rapel até o rio da Pratinha. O rio da cidade é imerso e nasce a mais de 100 km de distância e só se aproxima da superfície nesta localidade. Wendel Pereira é instrutor de modalidade, nesta manhã de segunda-feira, arrasou na Chapada de Diamantina. Ele levou a chama olímpica de tirolesa até alcançar as águas desse lençol no território de Pratinha. O instrutor estava muito feliz e disse que foi uma honra representar a Bahia e o Brasil.

A Lapa Doce é uma gruta de 42 km quadrados, cerca de 1 km é aberta aos turistas.

Publicidade

A caverna recebe mais de 20 mil visitantes por ano. O local é atrativo e seguro, possui equipe de 15 guias e mais de 50 profissionais. Entre eles biólogos, geólogos e espeleólogos, todos trabalham para a preservação do lugar. Para receber o fogo olímpico, os moradores da cidade fizeram uma grande festa. As meninas fizeram a dança das fitas para homenagear a tocha, essa dança é uma manifestação folclórica situada em várias partes do universo. #Rio Cultura #Rio2016