Agora a pouco o senador Ronaldo Caiado, do DEM-GO, iniciou os discursos da tarde na sessão que votará o #Impeachment de #Dilma Rousseff.

Sempre direto em seu posicionamento contrário ao desgoverno do PT, Caiado deixou muitos petistas irritados com suas palavras. O senador respondeu à base de governo que argumenta como 'houve apenas alguns decretos assinados e sofrer o impeachment é uma decisão muito drástica para Dilma'

Pois bem, Ronaldo apresentou números do que governo fez durante os últimos anos:

Programas Sociais

Dilma aumentou parcelas do programa 'Minha Casa Minha Vida'. Quem pagava R$25 mensais, passará a pagar R$80 e quem paga R$80 atualmente passará a pagar R$270 a partir de 1 de julho.

Publicidade
Publicidade

Além disso, baixou em 87% as vagas em creches e 62% no Pronatec. Mesmo assim, ameaçou que um eventual governo de Temer acabaria com os programas sociais, quando na verdade o próprio governo petista está destruindo os programas existentes.

Embora não tenha sido citado durante discurso de Caiado, também houve cortes significativos no Financiamento Estudantil, FIES, que tornou as regras mais rígidas e diminuiu o número de alunos de baixa renda contemplados com o financiamento durante o curso superior em universidade privada.

Economia

Caiado afirmou que mais de 303 mil empresas fecharam durante essa crise econômica desencadeada pela má administração de Dilma Rousseff e seus aliados, bem como houve um aumento de 116% nos pedidos de recuperação judicial.

A energia elétrica e a gasolina dispararam seus preços nos últimos dois anos e o PIB recuou em 8%.

Publicidade

Além disso a Petrobras passou de quarta maior empresa do mundo para a mais endividada da história, com uma divida de R$490 bilhões.

Cartada final

O senador declarou que com o impeachment estarão interrompendo essa fase do PT, que tem transformado o país em frangalhos. Também questionou a presidente por transformar o Planalto em um centro acadêmico cheio de faixas, em referência aos militantes que estiveram manifestando-se em apoio e com o apoio de Dilma no Palácio do Planalto.

Uma longa discussão

Como já era de se esperar, Ronaldo confirmou que a decisão da votação será conhecida na madrugada de quinta-feira, 12. A sessão demorou quase uma hora para começar e houve tumulto gerado por esquerdistas que apresentaram cinco questões de ordem na Casa, todas indeferidas por Calheiros. #Congresso Nacional