O Partido dos Trabalhadores (PT) estaria tendo dificuldades para enviar seus aliados ao encontro da presidente afastada Dilma Rousseff. A revelação foi feita pelo Senador da legenda, Jorge Viana (eleito pelo Acre), na noite desta quinta-feira, 19, quando fazia um discurso no Senado. De acordo com o político, Rousseff sofre inúmeras restrições de segurança no Palácio do Alvorado, onde mora e é a residência oficial do presidente da república no Brasil. Jorge Viana disse que quem que ter um encontro com a companheira política do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva enfrenta inúmeras dificuldades.

A primeira reclamação do Senador tem a ver com uma barreira, que teria sido colocada onde mora Michel Temer, no Palácio do Jaburu.

Publicidade
Publicidade

Um Palácio fica próximo ao outro e para chegar à Dilma só com autorização da equipe do peemedebista. "Quem precisa ir ver a presidente é parado e precisa de autorização do Jaburu para passar", reclamou o Senador do Partido dos Trabalhadores, que em seguida disse que a presidente estava "sitiada" no Palácio do Planalto. A expressão significa que ela não poderia ser visitada ou sair de lá, o que não é verdade. Nessa semana, por exemplo, ela teve encontros com políticos e até gravou entrevista na residência oficial. 

O Senador então pediu que Ricardo Lewandowski, presidente do Supremo Tribunal Federal (STF) faça um questionamento às autoridades que estariam tomando conta do ir e vir na Alvorada. O questionamento do petista é se tamanha atitude seria ungida de legalidade. Em seguida, ele disse que a Constituição brasileira garante o ir e vir e fez um apelo para que uma solução fosse encontrada. 

Não é a primeira vez que Dilma sofre algum tipo de restrição desde que foi afastada.

Publicidade

De acordo com informações do site da Revista Veja, a petista teria levado um não da Aeronáutica quando solicitou um helicóptero para sair do Palácio onde vive até a base aérea de Brasília. De lá, ela viajará para a capital de Minas Gerais, Belo Horizonte, onde tem um encontro com aliados. Temer, inclusive, teria cortado R$ 100 mil de patrocínio da Caixa Federal ao evento, que terá blogueiros e ativistas contra o #Impeachment#PT #Dilma Rousseff