A Advocacia-Geral da União (AGU) está finalizando um documento com um parecer cuja posição é limitar a utilização de aeronaves da Força Aérea Brasileira (FAB) pela presidente afastada #Dilma Rousseff. A informação foi confirmada nesta segunda-feira, 23, pelo site da revista Época. Segundo a publicação, a representante do Partido dos Trabalhadores (#PT) agora só pode ter autorização para ir de Porto Alegre, no Rio Grande do Sul para Brasília e vice-versa. Enquanto a decisão não é dada, as viagens continuam sendo permitidas, como o que ocorreu nesse fim de semana, quando Dilma Rousseff participou de um ato contra o #Impeachment com militantes e blogueiros em Belo Horizonte, Minas Gerais. 

O parecer da Advocacia-Geral da União deve ser enviado para os cuidados do Ministério da Casa Civil.

Publicidade
Publicidade

A própria Força Aérea Brasileira tem tomado todo o cuidado a respeito do assunto. Recentemente, de acordo com informações do site da Veja, Dilma teria sido proibida de usar o helicóptero presidencial para ir do Palácio do Alvorada até à Base Aérea de Brasília. Nem mesmo o presidente em exercício, Michel Temer, tem usado a regalia. Ele prefere fazer o trajeto, de cerca de 20 Km, utilizando carros e batedores. 

De acordo com o advogado-geral da União, Fábio Medina, em entrevista ao site da revista Época, a recomendação atenderá o país em um momento em que as contas estão no vermelho. Além disso, mostraria um caráter legal e impessoal. Existe a ideia de até permitir que Dilma utilize os aviões da FAB para outros trajetos. No entanto, isso funcionaria no mesmo esquema das campanhas eleitorais, com ela ou o Partido dos Trabalhadores pagando as despesas do que for gasto pela instituição vinculada às Forças Armadas. 

Nesta segunda-feira, Dilma disse que os áudios vazados do Ministro do Planejamento licenciado, Romero Jucá, mostram que está provada a conspiração do que ela chama de "golpe".

Publicidade

Segundo o jornal 'O Estado de São Paulo', Michel Temer vai exonerar Jucá nesta terça-feira, 23, contando com seu braço direito apenas no Senado.