O Presidente da República em exercício, Michel Temer, deu uma declaração à imprensa nesta terça-feira, 24, na qual revelou que seus Ministros não podem ter compromisso com o erro. No entanto, ele lembrou que homens são falhos e que assim sendo, existindo a necessidade, haverá o recuo e erros serão sanados. Em determinado momento, de acordo com informações da 'Folha de São Paulo, o peemedebista deu um soco na mesa para rechaçar qualquer possibilidade que exista da tese de que ele é um "coitadinho". Em seguida, o homem que sucede Dilma interinamente na presidência afirmou que sabe lidar muito bem com bandidos, lembrando sua atuação como Secretário da Segurança Pública. 

#Michel Temer aproveitou para mandar indiretas à presidente afastada Dilma Rousseff, dizendo que os brasileiros acabaram se acostumando com governos que não mudam suas decisões.

Publicidade
Publicidade

Ele então citou um dos presidentes mais memoráveis da história do Brasil, Juscelino Kubitschek, revelando que não pode ter compromisso com o erro. O peemedebista disse que saberá conduzir o país e que reverá qualquer posição, quando necessário. O presidente disse que pode errar, mas que caso isso ocorra, ele consertará o equívoco.

O discurso de Temer foi realizado horas depois do Diário Oficial da União publicar oficialmente a exoneração do Senador Romero Jucá do Ministério do Planejamento. Ainda não foi revelado quem assumirá a pasta. No entanto, de acordo com o 'Estadão', um dos nomes mais prováveis é o da Senadora Simone Tebet, que votou a favor do prosseguimento do impeachment no dia 12 de maio. Ela se uniu a outros 54 Congressistas, sendo responsável pelo afastamento da petista.

Jucá caiu depois que o ex-presidente da Transpetro Sérgio Machado divulgou uma gravação em que o ex-Ministro aparece tendo uma conversa polêmica.

Publicidade

Acredita-se que ele poderia estar realizando uma trama contra a Lava Jato. O Senador negou a informação e revelou a jornalistas que foi ele quem pediu para ser "licenciado" do Planejamento, até que a Procurador-Geral da República informe se ele cometeu ou não qualquer tipo de crime.  #Governo