O presidente em exercício Michel Temer não está com sorte com seus novos Ministros. Quem acreditava que com a troca de presidentes haveria o fim dos escândalos, enganou-se. Nesta segunda-feira, 23,  por exemplo, o Ministro do Planejamento, Romero Jucá, acabou sendo flagrado em conversas estranhas, em uma suposta trama para minar a principal investigação do país, a Lava Jato. O peemedebista bate um papo cheio de códigos com o Senador Sérgio Machado e fala em pacto. Segundo a Folha de São Paulo, esse pacto seria para barrar o juiz federal Sérgio Moro e a operação que ele comanda. 

De acordo com informações do site Diário do Poder, Romero Jucá agora deve ser demitido por #Michel Temer, evitando que isso se torne um problema maior e mais combustível para manifestações.

Publicidade
Publicidade

Realmente, a demissão seria uma boa maneira de estancar o problema de um governo que ganhou o "status" de "golpista" pela presidente afastada #Dilma Rousseff. Jucá ainda fala na conversa que conversou com os militares, que estariam a favor da repactuação nacional e que o Movimento dos Sem Terra (MST) estaria em observação. 

Dilma e Temer já tiveram áudios constrangedores vazados neste ano

Esse não é o primeiro e provavelmente não será o último áudio estranho divulgado durante a crise política. Um que envolveu Dilma e o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva também foi constatado como plano de fazer o petista fugir de uma possível prisão. Essa, pelo menos, foi a opinião de dirigentes da oposição. No áudio, Dilma falava que "Bessias" poderia ajudar Lula com o termo de posse. Ela fazia uma referência ao servidor de sobrenome Messias, o "salvador".

Publicidade

O ex-presidente chegou a ser empossado no Ministério da Casa Civil, mas isso não demorou muito.

Já o presidente em exercício Michel Temer teve um longo discurso vazado através de uma aplicativo de mensagens. Em meia hora de áudio, ele faz uma espécie de discurso de posse. O áudio foi divulgado antes mesmo de ocorrer a votação na Câmara dos deputados, no dia 17 de abril, quando os parlamentares decidiram pelo prosseguimento do impedimento da petista.