O presidente interino, Michel Temer, do PMDB, começou recentemente a governar o país, ainda de forma provisória. No entanto, com menos de duas semanas de atuação, o peemedebista já teve vitórias mais contundentes do que a presidente afastada #Dilma Rousseff em mais de cinco anos de governo. Nesta quarta-feira, 25, ele comemorou os bons ventos e a união da Câmara e do Congresso para tentar resolver a crise política e econômica brasileira. Após entregar credenciais para diplomatas no Palácio do Planalto, em Brasília, o político desabafou: "foi uma bela vitória".

Ele citava a aprovação da nova meta fiscal dada na madrugada pelo Senado brasileiro.

Publicidade
Publicidade

A votação foi até à madrugada, mas marca novos tempos, que parecem ser mais transparentes com os reais números do problema. Basta saber se a explanação desses dados dará sequência à solução dos mesmos, ajudando a tirar o Brasil do "buraco" e dando mais credibilidade à gestão econômica brasileira. Para #Michel Temer, a aprovação da nova meta fiscal do governo foi considerado o primeiro grande teste de seu governo. A sessão do Congresso aprovou que Temer possa ter um novo deficit, que agora vai até R$ 175 bilhões. 

Ainda durante a votação do Senado, que durou mais de dez horas, diversos vetos foram feitos a decretos assinados no "apagar das luzes" pela presidente afastada Dilma Rousseff. O peemedebista, segundo interlocutores, não tem pressa para que a deposição da petista aconteça no Senado.

Publicidade

Isso porque sua eficiência como gestor deve ser levada em conta pelos Senadores, que até a data da votação histórica devem ter um retrospecto sobre o jeito de Temer gerir a república e como os diversos setores da sociedade se comportaram com a mudança na presidência. 

Michel Temer confessou em entrevista ao 'Fantástico' que assim que o Senado decidir pela deposição de Dilma, ele, a mulher e o filho caçula, Michelzinho, de sete anos, passarão a morar no Palácio do Planalto, em Brasília.

Pelo menos uma coisa de fato ele pode comemorar, o diálogo dele já vence o distanciamento de Dilma.