O vice-presidente da república, Michel Temer, ainda nem decidiu como será sua possível base de Ministérios com o provável afastamento da presidente da república Dilma Rousseff e já enfrenta diversos problemas. De acordo com uma nota publicada pelo colunista Jorge Bastos Moreno, do jornal 'O Globo', neste domingo Dia das Mães, 08, Temer estaria fazendo que nem a atriz Glória Pires, não estando mais disposto a continuar com a indicação de um de seus Ministérios. A polêmica escolha envolve Marcos Pereira, Pastor da Igreja Universal do Reino de Deus, que ocuparia o Ministério da Ciência e Tecnologia. A ida de Marcos para a pasta é uma forma de agradar o PRB, partido próximo ao Bispo Edir Macedo e a TV Record e que apoia o processo de #Impeachment da líder petista. 

Os motivos para a falta de disposição do vice estão atrepados a forte repercussão negativa do anúncio ainda dado de forma extraoficial.

Publicidade
Publicidade

O caso virou até piada na internet e motivou críticas internas no PMDB, que quer fechar nomes que causem menos polêmica possível. Isso porque o peemedebista terá pouco tempo entre a votação do afastamento no Senado e a da deposição, que acontece, no máximo, em 180 dias. Para isso, ele quer fazer o melhor possível para evitar uma pressão do Partido dos Trabalhadores (PT) e também pressão popular, já que grandes grupos formados por movimentos sociais são contra o processo de impedimento. 

"Ele está a um passo de desistir do pastor", teria dito um dos interlocutores muito próximo ao vice-presidente da república. O pleito no Senado promete ser uma longa sessão. A expectativa é que a exposição de argumentos mais a votação ultrapasse o número de 20 horas. Isso porque cada Senado terá direito de falar durante 15 minutos, expondo seus argumentos contrários e a favor do processo de impedimento.

Publicidade

Apesar no número de Senadores ser bem menor do que o da Câmara dos Deputados, o grande tempo para os argumentos deve tornar a votação bem mais longa. A expectativa é que ela acabe apenas na quinta-feira, 12. Isso se o presidente do Senado, Renan Calheiros, não fizer nenhum tipo de mudança.  #Lula #Dilma Rousseff