Nesta última quarta-feira (25), foi postado, no Twitter, um vídeo mostrando uma garota sendo estuprada por mais de 30 homens. O vídeo mostra a garota nua e até sua partes íntimas, enquanto que alguns dos estupradores ainda ficam zombando dela, que está desacordada. O #Crime aconteceu em uma comunidade localizada na Zona Oeste do Rio de Janeiro e chocou o país.

Os usuários do Twitter repudiaram a postagem e logo denunciaram o perfil responsável que, em pouco tempo, foi cancelado, só que, mesmo assim, o assunto continuou gerando revolta e logo a polícia foi acionada.

As investigações começaram pouco tempo depois do vídeo começar a circular pelas redes sociais e, em menos de 24 horas após a divulgação, a Polícia Civil informou que já tem a identificação de um dos estupradores e este homem terá sua prisão pedida urgentemente.

Publicidade
Publicidade

Outros dois suspeitos de divulgarem o vídeo no Twitter também já foram identificados e é questão de horas até que a polícia coloque as mãos neles.

A Delegacia de Repressão aos Crimes de Informática do Rio de Janeiro, responsável por investigar o caso, informou que a garota já foi ouvida e o delegado Alessandro Thies, que é o responsável por esta operação, está pedindo a todas as pessoas que souberem de alguma coisa, que façam suas denúncias através do e-mail: alessandrothiers@pcivil.rj.gov.br

Nesta manhã de quinta-feira (26), a garota foi levada ao hospital onde passou por vários exames. A avó da vítima confirmou que, durante o estupro, ela sofreu um "apagão" e ficou chocada ao assistir ao vídeo.

Ainda, de acordo com a avó, a garota costuma frequentar a comunidade onde foi estuprada desde os 13 anos e nunca passou por isso.

Publicidade

Ela, inclusive, tem várias colegas por lá, só que na hora, nenhuma delas apareceu para ajudar. Um agente comunitário avistou a jovem em uma praça, colocou-a em seu carro e a levou até a casa de sua família.

Um usuário do Twitter que não pode ser identificado, fez prints do vídeo sendo divulgado na rede social e já entregou todo material ao Ministério Público do Rio de Janeiro, que já recebeu mais de 800 denúncias que serão apuradas.

Quem compartilhou o vídeo também será investigado, porque essa prática é crime, ainda mais por se tratar de um crime gravíssimo e está previsto no Código Penal Brasileiro. #Internet #Casos de polícia