O mundo já estava com olhos atentos no Brasil por dois motivos, a Olimpíada e o impeachment da presidente afastada Dilma Rousseff. Agora a comunidade internacional está indignada com um estupro coletivo sofrido por uma adolescente de 16 anos no Rio de Janeiro. A Organização das Nações Unidas (ONU), por exemplo, solicitou que o crime seja resolvido de forma rápida. Jornais, revistas, rádios, canais de televisão e sites de todo o mundo também deram a notícia com a barbárie com grande destaque. Em alguns dos veículos de comunicação, o Brasil foi comparado à Índia, um país onde a cultura do estupro está extremamente impregnada na sociedade.

Nesta sexta-feira, 27, uma semana após o #Crime acontecer e dois dias depois dele ganhar repercussão no Brasil, a mídia internacional começou a noticiar o caso e tudo o que gira em torno dele.

Publicidade
Publicidade

A repercussão nas redes sociais, considerada um fenômeno, também foi levada em consideração. Até mesmo a Índia e seus veículos de imprensa criminalizaram o que ocorreu no Rio de Janeiro. Em 2012, uma estudante de Nova Déli foi estuprada em um ônibus em movimento. Ela acabou falecendo por conta dos ferimentos internos. 

Outros sites lembram que o Rio de Janeiro receberá uma Olimpíada, mas que não consegue evitar um crime surreal como esse que aconteceu em uma comunidade do Rio de Janeiro. A Ordem dos Advogados do Brasil, a OAB, solicitou que o caso seja resolvido de maneira rápida e que todos os envolvidos sejam punidos. A Polícia Civil já identificou quatro suspeitos, que tiveram a prisão preventiva solicitada. Quem também ajuda no caso é o Ministério Público do Estado de São Paulo. Ainda na quinta-feira, 26, a entidade já havia recebido mais de 800 denúncias.

Publicidade

Também na quinta, a jovem vítima do estupro coletivo deu seu primeiro depoimentos aos policias. A conversa revelada pela 'Veja' mostra que a garota estava sob mira de armas e fuzis, o que aumentou ainda mais a indignação dos brasileiros. A jovem passou por exames ginecológicos e pelo Instituto Médico Legal (IML). #É Manchete!