Nesta segunda-feira, 30, a Polícia Civil começou a fazer buscas no Morro do Barão, comunidade de Jacarepaguá, na Zona Oeste do Rio de Janeiro, local onde teria acontecido o estupro de uma jovem menor de idade por mais de 30 homens. Os investigadores foram procurar os envolvidos no #Crime. A Polícia diz que seis deles já são considerados foragidos da justiça, já que não foram encontrados em suas residências. Em entrevista ao jornal 'O Globo', Ronaldo de Oliveira, diretor do Departamento Geral de Polícia Especializada (DGPE), explicou, no entanto, que alguns advogados indicaram que irão apresentar seus clientes na delegacia mais tarde.

Pelo menos dois dos considerados foragidos já tinham se apresentado à Polícia na semana passada, Raí de Souza, que confessou gravar e divulgar o vídeo na internet, e Lucas Perdomo Duarte Santos, ex-namorado da menor de idade, que revelou a investigadores que não estava com ela na noite do crime.

Publicidade
Publicidade

A jovem contou que não se lembra de Lucas no quarto onde aconteceu o estupro coletivo na comunidade do Rio de Janeiro. Os demais foragidos são Sérgio Luiz da Silva Júnior, conhecido como Da Russa. Ele é chefe do tráfico no Morro do Barão.  Marcelo Miranda da Cruz Correa,  Raphael Assis Duarte Belo e Michel Brasil da Silva também são procurados. O último foi um dos primeiros perfis a divulgar o vídeo. Ele confessou ter compartilhado as imagens, mas negou ter gravado ou participado dos atos libidinosos. 

A menina vítima do crime agora está em um residência não divulgada. A menor está sobre o serviço de proteção à vítima do governo do estado. Nesta segunda, um laudo publicado pelo Instituto Médico Legal (IML) indicou que não foram encontradas roxidões ou marcas de violência/sangramento na garota.

Publicidade

O IML, no entanto, disse que houve demora para fazer o exame de corpo de delito. A menina só procurou as autoridades depois que o caso tinha repercutido na imprensa e o Ministério Público ter recebido mais de 800 denúncias sobre o caso. Ela disse ter vergonha e medo. #Investigação Criminal