A jovem supostamente estuprada por mais de 30 homens deve sair do estado do Rio de Janeiro. Ela entrou no Programa de Proteção a Crianças e Adolescentes Ameaçados de Morte (PPCAAM) e já saiu do condomínio onde morava, em Jacarepaguá, Zona Oeste. O programa que a jovem faz parte é um projeto federal intermediado pelo estado. Ela recebeu diversas ameaças de morte na internet, especialmente pelo Facebook. Um perfil destinado à jovem chegou a ter mais de 200 mil seguidores. Esse perfil já foi tirado do ar. Uma fangage que seria coordenada pela vítima ainda dá informações sobre o caso. No entanto, não é possível dizer quem realmente está à frente da rede social. 

Na tarde desta segunda-feira, 30, amenina esteve na Secretaria estadual de Direitos Humanos.

Publicidade
Publicidade

Ao sair do prédio, a garota foi escoltada e tentou esconder o rosto. No domingo, 20, a advogada dela, Eloísa Samy, foi dispensada do caso. No mesmo dia, o delegado Alessandro Thiers, que coordenada as investigações, também foi afastado. Conversas dele divulgadas na internet pelo jornal Extra exibem que ele acredita que não houve qualquer estupro. Nesta segunda, um laudo publicado pelo Instituto Médico Legal (IML) disse que não havia vestígios de sangue e agressões na menina, mas que a demora de quatro dias para fazer o exame de corpo de delito pode ter prejudicado a perícia. 

Em entrevista ao jornal Extra, Andrea Sepúlveda, subsecretária de Defesa e Promoção dos Direitos Humanos, confirmou que a jovem estava sendo ameaçada. A adolescente esteve no prédio da Secretaria estadual de Direitos Humanos acompanhada da família, inclusive, ao lado do filho de três anos.

Publicidade

No domingo, em entrevista ao 'Fantástico', a jovem disse que desejava a seus estupradores que tivessem uma filha mulher. A menor de idade também conversou com o 'Domingo Espetacular', da TV Record, e com o jornalista Roberto Cabrini, do SBT.

A reportagem do SBT exibiu o local onde o #Crime teria ocorrido, em uma casa no Morro do Barão. Policiais disseram que na residência não caberiam 30 homens ou mais, contestando os depoimentos dados pela jovem.  #Investigação Criminal