Neide Souza, mãe de Raí Souza, preso por filmar e divulgar imagens de uma menina estuprada por 33 homens no Rio de Janeiro, teria dito que a menina "está acostumada a fazer bacanal. É uma doente". A afirmação ganhou destaque aqui mesmo na Blasting News nesta segunda-feira, 31. Segunda também foi dia de manifestação na comunidade do Morro do Barão, em Jacarepaguá, na Zona Oeste do Rio de Janeiro. Entre 30 e 50 pessoas fizeram um protesto afirmando que não houve qualquer tipo de estupro da adolescente de 16 anos. O protesto seria coordenado por amigos e familiares de Raí.

O rapaz havia chegado na sexta-feira, 27, na Cidade da Polícia, no Jacaré, sorrindo, acenando e dizendo que seu amigo, Lucas, já estava mais famoso que a presidente afastada da república Dilma Rousseff, Lucas teve um relacionamento com a menor de idade por três anos.

Publicidade
Publicidade

Ele era jogador do Boavista, mas após seu pedido de prisão ser expedido, o clube decidiu encerrar o contrato com o rapaz. Lucas estava dando uma entrevista para o SporTV quando foi preso.

Para corroborar com a tese de que não houve estupro, moradores da região falaram sobre o passado da jovem. Ela tem um filho de três anos, fruto de um relacionamento com 'Russa', ex-chefe do tráfico na região. A menina confirmou em entrevista que mantinha relacionamentos com traficantes. Fotos supostamente ligadas à ela mostram uma menina segurando armas. A Blasting News pesquisou o Facebook da vítima (já retirado do ar). Nele, diversas publicações faziam apologia ao sexo, drogas e à criminalidade. "Fechamento não morre", disse a garota ao postar uma foto de um dos criminosos morto assassinado na região. 

Neide Souza, mãe de Raí Souza, chamou de injustiça a prisão de seu filho.

Publicidade

É bom dizer que o filho dela confessou ter cometido um #Crime. Já Lucas, ex-namorado da menina e que está preso, nega qualquer relação com a situação, mesmo assim já até perdeu o emprego. A prisão dele ainda é em caráter preventivo. A menina deve sair do estado do Rio de Janeiro após entrar no Programa de Proteção às Vítimas.  #Investigação Criminal