Nesta quarta-feira, 25, um suposto vídeo de estupro coletivo gerou indignação na internet. Um homem identificado como Michel usou o Twitter para publicar imagens de uma garota completamente nua e machucada. As imagens mostram o suposto estuprador dizendo que ela foi violada por mais de 30 anos. No Brasil, #Crime de estupro é qualificado pelo artigo 213 do Código Penal como crime hediondo. Um homem do vídeo, no entanto, parece não se preocupar com isso. Ele até se vangloria do que acabara de cometer. 

Barbaridade online

De acordo com informações do jornal Extra, a jovem da idade é menor de idade e a Polícia Civil do Rio de Janeiro investiga o crime.

Publicidade
Publicidade

Quem está cuidado do caso é Alessandro Thiers, que trabalha no setor de Crimes da Informática. Ele explicou que o suspeito do estupro é morador do Rio de Janeiro. Ele preferiu não dar mais detalhes para não atrapalhar as investigações e também para preservar  a imagem da vítima.

Os homens do vídeo chegam a dizer que a menina estaria grávida de mais de 30. Em seguida, o órgão genital da mulher é exibido sangrando. Ele faz comentários pejorativos. Uma foto postada em uma rede social mostra um dos suspeitos com a língua para fora, ao lado da vagina da moça. Ele diz que abriu um "túnel" no local. Durante o momento da fato, a jovem estaria desacordada. 

Repercussão na web e como denunciar

Para piorar a situação, teve gente que ainda fez piada com o estupro coletivo. O perfil que publicou o vídeo pornográfico com o crime foi delegado do Twitter.

Publicidade

No entanto, usuários do microblog de 140 caracteres continuam compartilhando as imagens.  É bom lembrar que o governo brasileiro disponibiliza um serviço exclusivamente para denunciar à violência contra a mulher. Para isso, basta ligar para o 180. Não é necessário ser uma vítima para fazer a denúncia. Qualquer pessoa que tiver informações sobre uma mulher que é agredida pode usar o telefone. 

As imagens dessa matéria passaram por edição para evitar a exposição da menor de idade envolvida no crime bárbaro. Por isso, uma tarja foi utilizada.