O clima ficou pesado nesta segunda-feira, 02, na Comissão do Senado do #Impeachment da presidente Dilma Rousseff, em Brasília. Uma confusão entre dois Senadores chegou a fazer os trabalhos serem interrompidos por alguns minutos. Eleito pelo Democratas de Goiás, Ronaldo Caiado disse que Dilma deveria ser "interditada" porque estaria fazendo "disparates" contra  o povo brasileiro desde o dia 17 de abril, quando aconteceu a votação na Câmara dos deputados. Nesse dia, os parlamentares aprovaram por 367 votos o prosseguimento do processo de impeachment no Senado. O congressista foi além, dizendo que o impedimento estava sendo votado por irresponsabilidade de Dilma na hora de fechar as contas.

Publicidade
Publicidade

Além disso, ele lembrou o chamado "pacote de bondades" anunciado neste domingo, 1º de maio, Dia do Trabalhador. Dilma aumentou os valores do Bolsa Família e das taxas referentes ao imposto de renda. 

Bate-boca interrompe comissão do impeachment no Senado

Tantas críticas fizeram com que Lindbergh Farias, eleito pelo Partido dos Trabalhadores no Rio de Janeiro, interrompesse a fala de Caiado e o chamasse de mentiroso. Os dois então começaram uma forte discussão, que por pouco não virou uma briga corporal. A coisa ficou tão feia que o presidente da Comissão, Raimundo Lira, do PMDB da Paraíba, tivesse que interromper os trabalhos por alguns minutos, afim de apaziguar os ânimos. 

Irritado, o Senador que pede o impeachment chamou Lindbergh para a briga, solicitando que ele fosse para o lado de fora resolver a questão.

Publicidade

A TV Senado então, evitando a exposição de ambos, cortou o áudio enquanto eles se agrediam. A imagem do canal público também foi aberta, não mostrando o que aconteceu no fim do embate. É possível ver Caiado levantando irritado com tudo o que aconteceu. Do outro lado, o petista também se irrita. O líder do Democratas é contido por colegas, evitando assim que ele pudesse realmente ir as vias de fato.

Até a conclusão dessa reportagem, a sessão ainda continuava. 

Veja abaixo o vídeo com a confusão:

#Dilma Rousseff