Dessa vez foi a comarca de Lagarto no estado de Sergipe a pedir o bloqueio do aplicativo em todo o Brasil. As operadoras tem até as 14 horas da segunda-feira (2) para bloquear o WhatsApp. Segundo a ordem emitida pela vara criminal de Lagarto, o #WhatsApp ficará 72 horas fora do ar e seus usuários serão impedidos de utilizar o aplicativo.

Aplicativo ficará 3 dias fora do ar

Tudo isso porque a #Justiça busca acessar conteúdos de conversas de pessoas investigadas por crimes na cidade de Lagarto. A justiça expediu um pedido de acesso aos dados dos investigados à empresa, que também é dona do Facebook. O pedido foi realizado três vezes e em nenhuma delas foi cumprido.

Publicidade
Publicidade

Não há possibilidade de acesso as mensagens do aplicativo, seja pela justiça ou pelo governo. Isso porque o aplicativo conta com um sistema de criptografia que até os técnicos do aplicativo não possuem acesso. As medidas impostas por Mark Zuckerberg, diretor geral do Facebook, visam proteger o usuário de diversos crimes que podem ser cometidos contra ele.

O primeiro é a violação da privacidade, algo muito difuso ainda no ambiente virtual. A medida do WhatsApp em proteger os dados de seus clientes com a criptografia é um marco na história das políticas voltadas para o meio online.

Em novembro de 2014, o WhatsApp chegou a ser bloqueado no Brasil por 24 horas, e após a manifestação dos usuários na internet a justiça revogou a proibição.

O aplicativo incorporou recentemente em sua base de dados um novo sistema de criptografia chamado 'ponta a ponta', Através dessa tecnologia o usuário ganha mais liberdade, autonomia e privacidade, onde seus dados jamais poderão ser utilizados contra si mesmo.

Publicidade

Apple enfrenta problema semelhante nos EUA

A Apple enfrenta problema semelhante ao do WhatsApp no Brasil, que deixará de funcionar nessa primeira segunda-feira de maio. A gigante produtora de smartphone está sendo processada pela justiça americana que busca ter acesso ao Iphone de um atirador que matou 14 pessoas na Califórnia no ano passado. #Investigação Criminal