No fim da noite desta terça-feira, 24, o jornalista William Waack comentou um polêmico pronunciamento feito pelo presidente em exercício Michel Temer, do PMDB. Falando sobre a nova meta fiscal e negando ser "coitadinho", o "ex"-vice da presidente afastada Dilma Rousseff bateu na mesa e anunciou que se errar, não terá medo de corrigir um erro. Para dizer isso, no entanto, ele usou uma manobra no português conhecida como mesóclise - consertá-lo-ei - e fez piada do assunto. Após a repetição à exaustão do "consertá-lo-ei", William Waack riu e disse que já estava desacostumado com líderes brasileiros que falassem bom português. "A gente ficou desacostumado nos últimos treze anos com o jeito certo de falar", disse o jornalista citando o governo do Partido dos Trabalhadores, que está (mesmo afastado) com seu quarto mandato no poder. 

Luiz Inácio Lula da Silva e Dilma Rousseff sempre foram alvos de críticas por derraparem no bom uso da língua portuguesa durante os discursos, inclusive, quando faziam a leitura do que era dito.

Publicidade
Publicidade

Os erros mais recorrentes também são cometidos por brasileiros comuns, afinal, quem nunca errou uma concordância, comeu uma vírgula ou abusou de pleonasmos como "subir para cima"? A crítica acontece muito baseada na própria trajetória presidencial brasileira, marcada por nomes extremamente cultos. Antes de Lula, por exemplo, quem governava o Brasil era o sociólogo Fernando Henrique Cardoso, conhecido por dominar as palavras no português e em outras línguas.

Para ser presidente, no entanto, falar corretamente a língua pátria não é tudo, do contrário, levaríamos professores dessa matéria para o cargo de gestor. O governo de Lula, por exemplo, mesmo com esse comento um ou outro "s" da palavras, era elogiado até por grandes potências. Isso porque o petista é um homem "conversador", que busca o diálogo e evitou problemáticas em sua gestão.

Publicidade

A mesma qualidade, no entanto, não pertence à sua sucessora, muito criticada por não conseguir conversar com a oposição e, em alguns momentos, até com a própria base aliada.  #É Manchete! #Michel Temer