Um grupo chamado Nashir Português está aliciando brasileiros para participarem do Estado Islâmico. A informação foi confirmada nesta quinta-feira, 16, pela Agência Brasileira de Inteligência (Abin). De acordo com informações do jornal 'O Globo', a troca de mensagens acontece por um aplicativo mais conhecido no exterior, o Telegram. A revelação feita pela agência de inteligência caiu como uma bomba, já que foi dada durante uma coletiva de imprensa sobre a segurança dos jogos olímpicos do Rio de Janeiro.

No fim do ano passado, a Abin já havia confirmado que o #Estado Islâmico ameaçou atacar o Brasil. Não está descartado o reforço da segurança na Olimpíadas.

Publicidade
Publicidade

Uma forma de aumenta o efetivo é através das Forças Armadas. A informação, no entanto, não foi confirmada pelas autoridades brasileiras de forma oficial. 

O Secretário de Segurança do Rio de Janeiro, José Mariano Beltrame, comentou que ficou sabendo do grupo brasileiro que fala sobre o Estado Islâmico junto com a imprensa. Na reunião sobre as Olimpíadas, também estavam membros do Ministério da Defesa. O assunto é tratado com extrema delicadeza pelo governo brasileiro, especialmente sabendo que diversos países do mundo já foram alvos do grupo terrorista, seja em ataques conjuntos ou pelos "lobos solitários", quando uma única pessoa decide provocar uma carnificina. 

"Isso não chegou a nós. Se a Abin tem essa informação, deve trabalhar para desbaratar esse grupo", confessou Beltrame aos repórteres. 

Em nota, a Abin confirmou que existe o grupo de brasileiros na internet.

Publicidade

De acordo com ele, essas pessoas discutem ideias extremistas. Através do aplicativo, elas conseguem se comunicar em diversas línguas com pessoas do grupo terrorista em todo o mundo. O comunicado diz ainda que essa facilidade de comunicação tem deixado o trabalho de investigação ainda mais difícil. A agência deixou claro o seu temor com uma maior radicalização dos brasileiros. A entidade ligada ao governo federal, no entanto, lembrou que vários países passam por situações parecidas.  #Terrorismo