Na madrugada deste domingo, 19, um grupo entre 15 e 25 bandidos (informações ainda divergentes e não confirmadas pela Polícia Civil) invadiu o Hospital Souza Aguiar, no Rio de Janeiro. Para resgatar um criminoso que estava internado no local, eles utilizaram granadas. Um homem foi morto e outras duas pessoas ficaram feridas. Na ação, um ambulante chegou a ser usado como escudo para evitar o revide. Ainda assim, pacientes dizem que viram um tiroteio no local. 

A Polícia agora já analisa câmeras do local para ver o que realmente aconteceu. Quem está à frente da investigação é o delegado Rivaldo Barbosa, da Delegacia de Homicídios.

Publicidade
Publicidade

Em entrevista a jornalistas, ele disse que pelo menos duas pessoas já haviam sido identificadas. A Polícia tem forte suspeita de que advogados do grupo ajudaram na fuga. Isso porque eles sabiam o andar o local onde o preso estava. Profissionais da justiça teriam visitado o leito do internado antes do #Crime ocorrer. 

O resgatado seria Nicolas Labre Pereira de Jesus, o Fat Family, de 28 anos. Ele é   irmão do traficante My Thor, um dos mais conhecidos criminosos do estado. My Thor está preso em um presídio federal, mas não se descarta a hipótese dele ter coordenado o ato para salvar o parente. O delegado Rivaldo Barbosa classificou a ação como covarde e ousada. De acordo com ele, por conta disso, investigadores darão uma resposta à altura. 

"Vamos descobrir quem ajudou eles", disse o profissional que investiga o caso citando a possibilidade da ação ter a ajuda de advogados.

Publicidade

A Polícia confirmou que um paciente que estava no Souza Aguiar morreu com tiros disparados. Ele tinha 21 anos de idade e seria parente de um oficial da Marinha. Mais cedo, a mídia divulgou que o morto era da Marinha. A informação foi corrigida. Um policial militar também foi baleado. Até a publicação dessa reportagem, ele ainda passava por uma cirurgia. Um enfermeiro também levou tiros. Ele está internado em estado grave. Quem viu a cena a descreveu como um verdadeiro cenário de terror.  #Investigação Criminal