Uma estudante de Artes Cênicas, de 20 anos, foi violentada durante os JUCA - Jogos Universitários de Comunicação e Artes, que ocorreu entre os dias 26 e 29 de maio em Sorocaba/SP. O suspeito, um homem de 35 anos anos, foi reconhecido pela vítima e cursa Física. O abuso ocorreu no sábado dia 27 e a estudante registrou o boletim de ocorrência no dia seguinte. 

O Instituto de Física da USP recebeu a denúncia de abuso e abriu uma sindicância para averiguar o que ocorreu, informando que a comunidade acadêmica repudia qualquer tipo de violência e que tomará as medidas necessárias. Se o suspeito for realmente acusado poderá ser expulso da universidade, mesmo que o #Crime tenha ocorrido fora do campus. 

A organização estudantil responsável pelos JUCA divulgou uma nota de repúdio na rede social Facebook, comunicando que houve um abuso sexual durante a festa.

Publicidade
Publicidade

O suspeito foi expulso do evento e do alojamento em que estava. No momento a vítima está bem, recebendo apoio da família e amigos. É possível que o acusado tenha cometido outros crimes sexuais.

A delegada Ana Luiza Salomone informou que o suspeito não foi detido por não ter sido pego em flagrante, que a vítima terá de fazer exame de corpo de delito no IML - Instituto Médico Legal e uma representação formal contra o acusado. Se a estudante não der sequência no caso, a polícia não tem como prosseguir com as investigações.

A festa contou com seis mil estudantes e foi a primeira vez que os jogos aconteceram na cidade de Sorocaba/SP. Além do estupro, os vizinhos reclamaram de muito barulho, fazendo queixa na polícia, com suspeita de uso de drogas pelos estudantes. Agora, a USP aguarda que a estudante formalize a denúncia na universidade, para que ocorra sindicância e processo disciplinar.

Publicidade

Na nota de repúdio, a USP informou que oferece à vítima apoio, acolhimento, orientação jurídica e acompanhamento médico. Também declarou, na rede social, que nenhum tipo de crime ou violência é permitida e tolerada na universidade, muito menos contra as mulheres. #Casos de polícia