O caso curioso aconteceu no Mato Grosso quando um aluno, Renan Gonçalves Freitas de 26 anos, foi até o Procon para fazer uma denúncia contra uma faculdade particular de Cuiabá. Ele alegou que atrasou quase 4 anos para devolver um livro e recebeu a multa absurda de R$ 4,3 mil.

O estudante de engenharia civil reconheceu que atrasou muito a devolução do livro, porém, ele alega que a instituição nunca o notificou. E ainda, ele afirmou que o atraso ocorreu por que ele havia mudado de residência e perdido o exemplar, então, ele acabou esquecendo que tinha pego emprestado na biblioteca da faculdade.

Muito revoltado, o aluno acredita que a Unic, Universidade de Cuiabá, agiu de má-fé com o objetivo de fazer tal cobrança abusiva.

Publicidade
Publicidade

“Eu peguei o livro na biblioteca e depois eu fiz uma mudança. Esse livro foi encaixotado e eu esqueci de o devolver. Daquela época até hoje eu fiz sete rematrículas na instituição e se houver algum débito, eles não permitem sua matrícula até a regularização. Em momento algum eu fui notificado, a faculdade deixou que esse atraso se prolongasse de caso pensado, argumentou o aluno.

A descoberta da multa só veio à tona nas vésperas da colação de grau de Renan, ele está no 10° semestre e assim que soube do atraso foi logo devolver o livro e tentar entrar em um acordo. Segundo ele, a faculdade o informou que o valor cobrado era legal e uma única alternativa que ele tinha era o de pagar parcelado.

O aluno ainda tentou argumentar com a direção da instituição, tentou negociar comprando um livro novo, mas eles não aceitaram.

Publicidade

Além de não especificar o valor cobrado, eles apenas mandaram um e-mail de notificação para o estudante após a devolução do livro que atualmente custa R$ 68.

Gisela Simona, superintendente do Procon do Estado avaliou o caso e presumiu que houve a irregularidade da parte da instituição de ensino particular. Ela alega que como não houve nenhum tipo de notificação por parte da faculdade e por terem cobrado essa multa abusiva, é certo afirmar que eles erraram com o aluno. #Justiça #Curiosidades