A polêmica em relação à limitação da #Internet de banda larga fixa continua, dessa vez, com o presidente João Rezende novamente se manifestando em favor dos provedores.

Depois de o ministro das Comunicações do governo Dilma declarar que não se permitiria a limitação das franquias de dados e defender os consumidores, a Anatel chegou a publicar, no fim de abril, em sua página do Facebook, um comunicado em que proibia, por tempo indeterminado, limites na internet fixa. 

Desta vez, em evento promovido pela Abrint (Associação Brasileira de Provedores de Internet e Telecomunicações), Rezende declarou que interferir na maneira como provedores de internet de banda larga operam seria negativo no que diz respeito ao incentivo à expansão da rede - apesar de não deixar muito claro em que sentido enxergam tal expansão.

Publicidade
Publicidade

Em abril, João Rezende já havia se pronunciado favorável à limitação, alegando que o consumidor brasileiro estaria "mal acostumado" e que a tendência mundial era a de navegação limitada por franquia de dados - informação bastante equivocada, na verdade, e que causou a indignação dos brasileiros.

A polêmica começou quando a Vivo, agora proprietária também da GVT, adicionou uma cláusula em seu contrato que estabelece o bloqueio ou a redução da velocidade quando o cliente atingir a franquia de dados estabelecida de acordo com seu pacote a partir de 2017 - mudança realizada discretamente e só posteriormente anunciada aos consumidores.

Segundo o secretário de Inclusão Digital e Internet do Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovação e Comunicações, Maximiliano Martinhão, houve uma "falha de comunicação muito grande", que resultou na polêmica em relação à limitação da internet.

Publicidade

Para ele, a demanda cada vez maior da estrutura de banda larga no país requer medidas a favor de um equilíbrio econômico e financeiro entre os provedores e seus usuários. Sendo assim, nada impede a determinação de uma franquia se houver transparência entre as partes.

O grande problema a ser enfrentado pelo consumidor é que o estabelecimento de limite de dados não veio com opções de pacotes mais baratos para o usuário esporádico da internet - o que temos visto é simplesmente um oferecimento de pacotes com franquias maiores a preços bem mais altos que aqueles dos contratos oferecidos para internet ilimitada. #Crise