O goleiro Bruno Fernandes ouviu o famoso "até que a morte os separe" neste sábado, 18, na Associação de Proteção e Assistência ao Condenado (Apac). É lá que ele está preso pela morte de sua ex-companheira. Ele foi acusado e condenado pelo assassinato de Eliza Samudio. A nova companheira de Bruno está fazendo ele estar com um sorriso mais bonito em todos os sentidos. Ingrid Calheiros é dentista e não tem se importado por viver um amor barrado por grades. Bruno está preso na instituição desde setembro de 2015. Ele tem uma longa pena para cumprir. Ao todo, a Justiça de Minas Gerais o condenou a mais de 22 anos de prisão.

Além de assassinar Eliza Samudio, Bruno foi condenado por sumir com o cadáver da ex-mulher.

Publicidade
Publicidade

Além do goleiro que na época do #Crime era um ídolo do Flamengo e um dos nomes tidos a entrar na seleção brasileira, acabaram sendo condenadas outras cinco pessoas. Uma pastora realizou a cerimônia de união entre Bruno e a dentista. De acordo com o advogado do ex-flamenguista, Lúcio Adolfo, ele também casou no civil. O goleiro não foi o único a oficializar a união. Um outro presidiário também disse "sim" no local, tido como não muito romântico pela maioria das pessoas.

Assim como todo casamento, o da cadeia contou com voluntários da Penitenciária, que prepararam um delicioso almoço. Convidados dos noivos também participaram da reunião. Muitas pessoas teriam ficado emocionadas com o casamento. Até mesmo uma banda de louvor foi convocada para animar a festança. Ingrid já conhecia Bruno antes mesmo do crime ocorrer.

Publicidade

Em 2013, ela já se apresentava como mulher do ex-atleta. Na época, o goleiro ainda era casado oficialmente com outra mulher. Eliza era tida como uma amante dele. 

A morte de Eliza Samudio chocou todo o país por envolver um ídolo do esporte e pelas circunstâncias do crime. O fato de vestígios do corpo da ex-amante nunca terem sido achados intriga até hoje os investigadores. Chegou-se a cogitar que os restos mortais teriam sido dado para cachorros. A informação, no entanto, nunca se confirmou.  #Investigação Criminal