Em apenas quatro meses, a popularidade do deputado federal Jair Bolsonaro, do PSC do Rio de Janeiro, dobrou. Em pesquisa realizada pelo Datafolha em dezembro, Bolsonaro aparecia com 4% dos votos para a presidência em 2018. Ao começar a fazer um discurso mais light, essa popularidade cresceu 100%. Em abril, o número de brasileiros que votariam em Bolsonaro já eram 8%. O PSC, no fundo, não acredita que o parlamentar ganharia uma eleição, mas isso nem é tão importante, não agora, pelo menos. O objetivo do partido é trazer com a figura de Bolsonaro votos para candidatos a deputados, Senadores e outros cargos. 

Isso porque com o efetivo que a legenda tem hoje, mesmo que o candidato tivesse a maioria de votos, ele sequer poderia ser chamado para debates eleitorais na televisão, o que compromete qualquer candidatura.

Publicidade
Publicidade

Desde as últimas eleições, para o primeiro turno, só podem ser chamados quem tem um efetivo mínimo de deputados. Mas como Bolsonaro cresceu tanto nas pesquisas? 

O parlamentar continua sendo da chamada "extrema direita", mas aos poucos foi ficando mais Light. Não são raras as vezes que falas ditas por ele já não são mais polêmicas. Em 1999, quando começou a ficar conhecido, Bolsonaro dizia que se fosse presidente tomaria o Congresso para si. Militar da reserva, ele indicava com o discurso que poderia fazer um novo Regime Militar no Brasil, o que assustou boa parte dos brasileiros, já que o país saíra de uma recente ditadura, que terminou por volta do ano de 1984. Hoje ele diz que "golpe" é só o de judô e durante a competição.

Apesar disso, o deputado ainda dialoga com os extremistas, recebendo enorme apoio e atenção.

Publicidade

Uma das maiores provas sobre isso ocorreu no dia 17 de abril, quando visto por dezenas de milhões de brasileiros, por conta da exibição da votação sobre o prosseguimento do impeachment na Câmara dos deputados, ele fez uma menção ao Coronel Brilhante Ustra. O militar é considerado um dos maiores torturadores do Regime Militar, tendo quebrado até o maxilar da presidente afastada Dilma Rousseff.  #Governo