Nesta quinta-feira, 02, o deputado federal Jair Bolsonaro, eleito pelo PSC do Rio de Janeiro, causou um enorme frisson no estádio do Pacaembu, em São Paulo. O parlamentar eleito pelo Rio é assumidamente palmeirense e decidiu assistir a um jogo de seu time do coração. Ele esteve no estádio na parte coberta e deu sorte para o time da camisa verde. O Palmeiras acabou vencendo seu adversário, o Grêmio, por um placar de 4 a 3. A vitória recheada de gols, no entanto, quase passou desapercebida por conta da presença de Bolsonaro. 

O jogo válido pela quinta rodada do Campeonato Brasileiro teve muitos aplausos para Bolsonaro. Ele chegou a ficar emocionado com o suporte da torcida do time que ele tanto ama.

Publicidade
Publicidade

Muitos torcedores fizeram coro de "mito", como o deputado é chamado carinhosamente na internet. Mas nem tudo são flores. Parte da torcida também xingou o político de "fascista" e pediu que sua presença não acontecesse no Pacaembu. Em entrevista a jornalistas, o parlamentar disse que já estava acostumado com esse tipo de manifestação.

Bolsonaro é pré-candidato à presidência pelo PSC. O pleito ocorrerá apenas em 2018, mas o partido acredita que o deputado tem grandes chances de ter uma boa votação. Uma pesquisa realizada em abril pelo Instituto Paraná, por exemplo, traz Bolsonaro à frente do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva no Distrito Federal. A diferença entre os dois é de 6 pontos percentuais. Além dos dois, Aécio Neves (PSDB) e Marina Silva (Rede) apareciam bem na pesquisa. 

Em abril, o político protagonizou um dos episódios mais polêmicos e memoráveis de sua carreira.

Publicidade

Durante a votação do impeachment na Câmara dos deputados, ele fez uma menção ao Coronel Brilhante Ustra, considerado um dos maiores torturadores durante o regime militar. Ustra teria, inclusive, torturado a presidente afastada Dilma Rousseff, quebrando o maxilar dela. Rousseff comentou poucas vezes as torturas sofridas na prisão.  No entanto, em algumas delas ela se mostrou emocionada com o que aconteceu no passado. #Governo #Eleições