Após uma menina ser estuprada no Rio de Janeiro, a discussão da Cultura do Estupro voltou à tona. Quem pode pagar muito caro por conta desse debate que cresce na sociedade é o deputado federal Jair Bolsonaro, eleito pelo PSC do Rio de Janeiro. De acordo com informações do site da Revista Veja em reportagem publicada nesta terça-feira, 21, o Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu acolher uma denúncia contra o polêmico parlamentar.  Por quatro votos a um, a mais alta corte do país decidiu transformar o político em réu. Tudo depois que o parlamentar dizer que a deputada do Partido dos Trabalhadores, Maria do Rosário (Rio Grande do Sul) não merecia ser estuprada.

Publicidade
Publicidade

A fala foi dita pelo deputado ainda em 2014. Ele argumentou que a petista não merecia ser estuprada provocando muita polêmica. Por ser deputado, Bolsonaro tem foro privilegiado, mas a fala dele sobre Maria do Rosário acabou não passando pela imunidade parlamentar. O político pode ficar de três a seis meses preso e até pagar muita por conta da declaração. A Ministra do Supremo Tribunal Federal, Rosa Weber, ao dar seu voto, chegou a dizer que a imunidade parlamentar em nada tinha a ver com impunidade. 

Quem também se posicionou contra ao discurso de Bolsonaro foi o Ministro Luiz Fux, que criticou duramente a manifestação do político. Ele ainda pediu desculpas aos demais colegas por fazer as citações ditas pelo integrante do PSC. Advogados do candidato à presidência chegaram a dizer que o político em nenhum momento fez insinuações criminosas contra Márcia do Rosário e que os contrários a ele estavam tentando promover uma censura contra ele.

Publicidade

Não é a primeira vez que o deputado  é condenado por conta do caso. A Justiça Federal já o havia condenado a pagar indenização de R$ 10 mil a parlamentar.

Esse não é o único processo que Bolsonaro enfrenta. Ele também fez uma citação durante a votação do impeachment ao General Brilhante Ustra, um dos mais temidos da ditadura. No Facebook, Bolsonaro questionou se a ética e a moral seriam agora condenadas no Brasil ao se referir sobre o processo contra Rosário.  #Governo #Investigação Criminal