Por volta das 23 horas desta quarta-feira (08), um ônibus que seguia na rodovia Mogi-Bertioga capotou. No desastre morreram 18 pessoas e 28 ficaram feridas, algumas em estado grave. Equipes do SAMU e Corpo de Bombeiros prestaram atendimento às vítimas, que foram encaminhadas para hospitais da região.

O acidente ocorreu quando os estudantes retornavam da faculdade. O veículo bateu em um rochedo na pista contrária, capotou e caiu em um barranco. A rodovia foi totalmente interditada.

Os corpos foram encaminhados aos IMLs das cidades de Mogi das Cruzes e do Guarujá, mas não foi descartado que alguns corpos sejam encaminhados para a unidade de Santos.

Publicidade
Publicidade

A Secretaria de Segurança Pública informou que uma força-tarefa para ajudar na identificação dos corpos foi criada com o intuito de agilizar os trabalhos e amenizar o sofrimento dos familiares das vítimas fatais.

 A polícia investiga as causas do acidente. O governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, pediu agilidade nas investigações e um relatório sobre a situação do estado de saúde dos sobreviventes.

Sonho interrompido

O ônibus levava 45 estudantes que faziam esse percurso para ir à faculdade. Pessoas que enfrentavam a estrada todos os dias em busca de um futuro melhor tiveram a vida ceifada de forma brusca

Luto

Foi divulgada uma nota pela UBC – Universidade Brás Cubas, em Mogi das Cruzes, se solidarizando com os familiares da vítimas e lamentando o acidente. A universidade decretou luto oficial, sem suspender as atividades administrativas.

Publicidade

A empresa responsável pelo transporte dos estudantes, informou que o veículo encontrava-se em boas condições de uso e tinha as autorizações dos órgãos de fiscalização para o fretamento. De acordo com a empresa, o motorista, Antônio Carlos da Silva, de 37 anos, fazia esse percurso há dois anos. O motorista também morreu no acidente.

Momentos de Pânico

Wanderson da Silva, de 24 anos, um dos sobreviventes do acidente relatou alguns dos momentos de terror. “Na terceira vez que ele repetiu o movimento de tentar fazer a curva de forma brusca e invadindo a pista, percebemos que havia algo errado. Começaram a pedir para que colocássemos o cinto. Eu coloquei e aí começou a gritaria, as pessoas se desesperaram e percebi que o meio fio estava cada vez mais próximo, foi quando capotamos”. Wanderson levou alguns pontos, mas passa bem. #Crime #Investigação Criminal