Na noite desta quinta-feira, 16, o advogado da presidente afastada Dilma Rousseff, José Eduardo Cardozo, acabou se enrolando ao citar um dos grandes nomes que estaria apoiando a tese da representante do Partido dos Trabalhadores (PT). Ele listava uma série de juristas, quando acabou caindo numa piada promovida provavelmente por alguém da própria equipe. O ex-Ministro da Justiça e ex-Advogado-Geral da União agradeceu todo o apoio dado por 'Tomás Turbando Bustamante'.

Ao mencionar o nome estranho, Cardozo fez alguns Senadores, já cansados pelas horas parados na Comissão do Impeachment, começarem a sorrir. O advogado de Dilma foi traído pelo "cacófato", que é o nome da figura de linguagem que faz um nome ser parecido com outro.

Publicidade
Publicidade

De acordo com informações do jornalista Lauro Jardim, do jornal 'O Globo', 'Tomás Turbando' foi assim nomeado nas chamadas "notas taquigráficas", que é o nome de se dá a tudo o que é falado pelos Congressistas e é documentado. Muitas vezes é solicitado que uma ofensa seja retirada dos documentos oficiais do Senado. 

Na verdade,  o advogado de Dilma queria se referir ao jurista Thomas da Rosa de Bustamante, que em nada tem o seu nome parecido com 'Thomas Turbando'. Ele é Professor de filosofia da Universidade Federal de Minas Gerais, UFMG. O jurista que acabou tendo seu nome confundido apresentou recentemente ao deputado Reginaldo Lopes, do Partido dos Trabalhadores de Minas Gerais, um pedido especial. Ele quer que Dilma e o presidente em exercício #Michel Temer, do PMDB, sofram o processo de impeachment juntos. 

Erro engraçado mexe com Comissão 

Até o fechamento desta reportagem, a Comissão do Impeachment continuava a todo vapor.

Publicidade

Aparentemente, Cardozo não percebeu o erro que cometeu. A declaração dada por ele, no entanto, já virou motivo de piadas na internet. Não é a primeira vez que momentos como esse acontecem na política, na TV ou na vida de todos nós. Basta saber agora se foi alguém que errou sem querer o nome do professor de filosofia ou se foi por querer mesmo.  #Governo