Além de apresentar suas propostas para a reforma da Previdência na reunião desta terça-feira (28), com a imposição de uma idade mínima para aposentadoria de 65 anos e a redução da diferença entre o tempo de contribuição para homens e mulheres de cinco para três anos, o #Governo também espera ouvir o que as centrais sindicais têm a propor sobre o assunto.

Segundo informações do jornal O Globo, ainda há resistência de alguns sindicatos em relação às novas propostas. Para algumas lideranças, deve ser mantida a atual regra, conhecida como 85/95, que alude à soma do tempo de contribuição e idade de mulheres e homens. Além disso, há uma cobrança em relação ao modo como os recursos do fundo da Previdência Social vêm sendo utilizados.

Publicidade
Publicidade

Para isso, pedem que o governo auxilie exercendo uma fiscalização mais rígida dos gastos previdenciários.

Apesar da resistência, há pontos defendidos pelas centrais de trabalhadores que são bem vistos pelo governo, como a criação de um programa dedicado a refinanciar débitos na dívida com a Previdência e também a revisão da isenção fiscal dada a entidades de filantropia. #PrevidenciaSocial