Um cidadão revoltado decidiu atacar o Diretório Nacional do Partido dos Trabalhadores (#PT) em São Paulo na madrugada desta quinta-feira, 30. A informação foi confirmada pela própria legenda que elegeu a presidente afastada Dilma Rousseff. O PT publicou algumas fotos da destruição em suas redes sociais, como a imagem desta reportagem, que exibe uma porta de vidro completamente destruída. De acordo com o UOL, o episódio teria ocorrido por volta de 1h15. 

No momento em que o homem revoltado decidiu tomar a atitude, um segurança estava a postos e ouviu tudo o que acontecia. Ela ainda teria avistado o homem utilizando uma picareta para entrar no prédio.

Publicidade
Publicidade

A Polícia Militar foi chamada. Profissionais da segurança então levaram o cidadão de carro até à delegacia mais próxima, onde ele foi acusado de depredação de patrimônio particular. De acordo com uma fonte da Blasting News, o homem teria dito que seu ato foi político e contra a corrupção, negando que quisesse roubar qualquer coisa. 

A Secretaria Pública de São Paulo, no entanto, oficialmente, não confirma que o ataque tenha ocorrido por motivos políticos. O ex-Ministro da Saúde do governo Dilma, Alexandre Padilha, foi um dos nomes do partido que lamentou o episódio. Em um post no Twitter, ele escreveu dando a entender que o ato de depredação realmente foi político:"Escuridão sobre a tolerância e democracia".

É bom lembrar que a sede do Partido dos Trabalhadores (PT) foi alvo da operação 'Custo Brasil' na semana passada.

Publicidade

O diretório foi cercado por policiais federais, que adentraram na instituição, recolhendo documentos, fazendo fotos e levando tudo o que era preciso. A Justiça, em seu parecer que oficializou o mandado de busca e apreensão, solicitou que os agentes olhassem até possíveis compartimentos secretos dentro do prédio.

Além das apreensões, várias pessoas ligadas ao partido foram presas. Uma delas foi o ex-Ministro do Planejamento, Paulo Bernardo. Nesta quarta-feira, 29, ele foi solto pelo Ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Dias Toffoli.  #Crime