Possível candidato a ser apoiado pelo ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, o ex-Ministro Ciro Gomes, do PDT, disse de acordo com o jornal O Globo, que poderia tomar uma atitude extrema para evitar que o petista fosse parar na cadeia. A Solidariedade pessoal seria para não permitir o que Ciro chama de gesto arbitrário do juiz Sérgio Moro ou de qualquer outro juiz. De acordo com ele, a atitude extrema só seria tomada se ele achasse que a justiça não estivesse sendo feita, infringindo o que ele chama de regras do estado do direito democrático. 

A principal medida apontada na reportagem é que Ciro pretende "sequestrar" #Lula até à uma embaixada e formar um grupo de juristas que possam defendê-lo.

Publicidade
Publicidade

O pedido de asilo, segundo o ex-Ministro, seria para que o antecessor da presidente afastada Dilma Rousseff pudesse se defender plenamente. A ideia, de acordo com o pré-candidato à presidência, apareceu no polêmico dia em que Lula foi levado à força para depôr na sede da Polícia Federal, em São Paulo. A condução coercitiva do ex-presidente fez com que os principais veículos de comunicação mostrassem tudo ao vivo. 

"À luz de uma prisão arbitrária, um ato de solidariedade particular pode ir até esse limite", disse Ciro Gomes, revelando que o ato se "sumir" com Lula seria um ato de direito e não ilegal. O ex-governador conta que tudo vai depender da qualidade da decisão dada pela justiça. Nesse ano, o Ministério Público de São Paulo chegou a pedir a prisão preventiva do ex-presidente por conta de sua suposta relação com empreendimentos em São Paulo, como um sítio em Atibaia e um Tríplex no Guarujá.

Publicidade

Apesar de pensar "sequestrar" o companheiro político de Dilma, o político revela que hoje ele não faria a medida, pois não existe nenhum motivo para colocar Lula na cadeia. Apesar disso, o ex-marido da atriz Patrícia Pillar contou que está muito irritado com tudo o que acontece no país, pois existe uma "frouxidão moral". Ele ainda disse na entrevista ao jornal 'O Globo' que isso seria obra de Eduardo Cunha, deputado federal pelo PMDB do Rio de Janeiro, que ele chamou de "monstro" . #PT