O Partido dos Trabalhadores (PT) estuda fazer o que se chama de "leniência", uma espécie de delação que envolve empresa, ou no caso a própria legenda. A ideia, segundo uma reportagem da 'Folha de São Paulo', teria partido de dois nomes do #PT que foram presos da Lava Jato, maior investigação em vigor no país. Os presos são o ex-tesoureiro da legenda, João Vaccani Neto, e um dos braços direitos do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e da presidente afastada Dilma Rousseff, José Dirceu. Com a delação coletiva partidária, o partido conseguiria, quem sabe, "limpar sua história", disseram interlocutores da solução surpreendente à 'Folha'. 

O ex-Ministro José Dirceu teria apresentado a proposta quando nomes do PT foram visitá-lo na cadeia.

Publicidade
Publicidade

Deputados então trouxeram a ideia para ser discutida pela legenda. Essa seria uma forma de acabar com todas as investigações existentes ou pelo menos diminuir a atuação dela, já que todos os escândalos possíveis seriam revelados de uma só vez. É claro que tudo isso acontece na teoria. Até mesmo em delações premiadas, a Polícia Federal ou quem colhe os depoimentos, não tem como ter total certeza da omissão de algumas informações. Isso acontece até por falhas de memória, já que investigadores pedem dados diversos.

O Partido dos Trabalhadores então pode fazer um acordo semelhantes com os das empresas, mas não só eles. Diversas siglas envolvidas da Lava Jato, de partidos a movimentos sociais podem acabar fazendo o mesmo. Isso porque a partir da leniência do PT, novas delações seriam solicitadas pela sociedade. 

A Lava Jato é tida como o maior escândalo recente do país.

Publicidade

Mesmo que indiretamente, ela é vista, por exemplo, como responsável pelo impeachment da presidente afastada #Dilma Rousseff. Isso porque acredita-se que com o afastamento de líderes políticos, a opinião pública pode acabar ficando mais calma em relação aos pedidos de mudanças. Nomes de praticamente todos os partidos foram citados em delações. Presidentes, Ministros, Senadores, deputados e empresários entraram nos holofotes noticiosos.