De acordo com o site 'Varela Notícias', especializado em notícias da Bahia, os vereadores da região protagonizaram uma cena completamente lamentável nesta terça-feria, 14, os políticos saíram no tapa durante a discussão do polêmico Plano Municipal de educação. O episódio foi registrado por jornalistas que estavam na Câmara Municipal de Salvador, que por instantes parecia uma praça de guerra. A votação seguiu os trâmites da democracia, mesmo durante o pleito sobre um tema extremamente sensível.

Entre os políticos que saíram "na mão" estão Henrique Carvallal, do PV, Joceval Rodrigues, do PPS, e Hilton Coelho, do PSOL. Todos eles estiveram em cenas de UFC.

Publicidade
Publicidade

Quem estava no local pôde ver empurrões, pontapés e socos. A educação passou bem longe do local. Infelizmente, até mesmo um jornalista acabou sendo ferido na ação. 

Tudo começou quando o político comunista perdeu a paciência e deu um soco em seu rival, Joceval. Amigo do político, Carballal decidiu defendê-lo, partindo para cima do representante do PSOL. "O vereador Hilton perdeu as estribeiras", começou a explicar ao 'Varela Notícias' o vereador Joceval. O homem alegou que seu opositor apareceu pelas costas, surpreendendo ele. "Está descontrolado", revelou o vereador que também esteve metido em cenas lamentáveis. Já Carballal reconheceu que o que ocorreu não era exemplo para ninguém, especialmente quando ocorre entre representantes de uma Câmara Municipal. Para ele, uma casa que discute a democracia não pode  passar por isso.

Publicidade

O vereador comunista disse que apenas se defendeu, revelando que quem começou as agressões não foi ele, mas sim Joceval. Ele ainda alega que sequer tentou agredir o colega. Para ele, o ambiente já era tenso com os manifestantes da educação, que estariam sendo reprimidos pela Polícia. Para ele, a oposição foi muito agressiva e insensível ao tratar do tema. 

O comunista ainda chamou seu rival de covarde porque teria dado um chute em suas costas. Ele ainda acusou outro político de agredir um dos manifestantes. Que feio, né? #Governo