Cristiano Alves. Esse é o nome que tem causado de risos à irritação dos adeptos do deputado federal Jair Bolsonaro, eleito pelo PSC do Rio de Janeiro. Na internet, Cristiano diz que é comunista. Ele, que revela viver na Rússia, no entanto, gosta de muitos produtos capitalistas. Na internet, por exemplo, ele curte um perfil do ator Gustava Haddad, que fez uma das temporadas mais memoráveis da adaptação da novela 'Chiquititas', exibida pelo SBT. Gustavo é conhecido também por defender gays, inclusive, já tenho protagonizado beijo com outro homem,

Em um vídeo publicado na internet, o comunista que ganhou a web diz que a solução é acabar com Bolsonaro.

Publicidade
Publicidade

Além de pedir a morte do deputado federal, ele diz que todos aqueles que concordam como o modo do parlamentar pensar devem ser torturado. É bom lembrar que assassinato e tortura são crimes no país. Fazer alusões positivas à essas práticas também podem levar o comunista para cadeia, bancada por uma nação capitalista. 

Cristiano Alves, além de atacar Bolsonaro, faz elogios a Stalin, Guevara e outros polêmicos líderes do comunismo. Ele também pede dinheiro para que possa fazer uma espécie de documentário sobre Stalin. Através da web, ele passa dados para que depositem dinheiro em uma conta dele. De acordo com uma reportagem publicada aqui na Blasting News, o rapaz que trabalha como tradutor, participa de treinamentos armados na Rússia. Em um perfil publicado em uma rede social, ele publica fotos "turistando" em pontos conhecidos do país.

Publicidade

Nas redes sociais, Cristiano também segue o deputado Jean Wyllys, eleito pelo PSOL. No dia 17 de abril, o parlamentar de esquerda cuspiu em Bolsonaro porque este teria feito comentários homofóbicos contra ele. Na mesma data, que votou o prosseguimento do impeachment da presidente afastada Dilma Rousseff, Jair fez uma menção ao Coronel Brilhante Ustra. Ustra teria torturado Dilma e outras pessoas durante o Regime Militar. Ele chegou a confessar a tortura, mas morreu antes de sofrer qualquer tipo de condenação.  #Governo #Crise