Mais um nome do Partido dos Trabalhadores (PT) é acusado de receber propina. O nome da vez é deputado federal José Guimarães, do Ceará. Ele foi o líder do governo da presidente afastada Dilma Rousseff no Congresso Nacional. Quem o delata é o também petista Alexandre Romano. O homem que foi vereador pela legenda do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva já fez delações importantes. Uma delas foi a que levou o ex-Ministro do Planejamento, Paulo Bernardo, para a cadeia.

De acordo com a Revista Veja em matéria publicada nesta sexta-feira, 24, Alexandre Romano revelou que negociou em uma viagem com Lula, na África, um financiamento milionário: R$ 260 milhões.

Publicidade
Publicidade

O dinheiro era uma parceria do governo com a empreiteira Engevix, que é investigada na principal investigação do país, a Lava Jato. 

Por conta da parceria, o vereador receberia 1% do valor total, R$ 2,6 milhões. Isso porque ele facilitaria o empréstimo para a empreiteira em um banco estatal. A instituição que emprestou o dinheiro é o Banco do Nordeste. Romano foi até o ex-líder de Dilma na Câmara José Guimarães, que se elegeu pelo Ceará e pediu ajuda. Guimarães tinha um nome parceiro à frente do Banco do Nordeste. Seria ele o nome ideal para ajudar na maracutaia. "Como você me ajuda depois?", teria questionado o petista.

O delator então teria explicado ao deputado que havia combinado de receber 1% do valor da operação. Ele então combinou com o parlamentar que daria uma parte do dinheiro de propina para ele.

Publicidade

Dessa forma, o negócio foi avançando. No entanto, a empreiteira pagou bem menos do que prometeu, apenas R$ 1 milhão. O deputado que ajudou o ex-vereador ficou com R$ 95 mil desse dinheiro, disse ele aos procuradores. O valor teria sido dividido através de dois cheques. Um dos maiores defensores de Dilma na Câmara,  José Guimarães nega que tenha participado de qualquer esquema ilegal. 

As novas delações e prisões envolvendo petistas tem sido uma reviravolta surpreendente no noticiário político, que recentemente apontou nomes do PMDB em situações polêmicas. Com isso, o presidente em exercício Michel Temer ganha cada vez mais chances de continuar no poder.  #PT #Dilma Rousseff